Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bovespa enfrenta volatilidade com vencimento de opções

Estadão

16 de abril de 2012 | 12h54

Olívia Bulla, da Agência Estado

O investidor ainda não se sente seguro para baixar a guarda, desde que China e Espanha assustaram os mercados financeiros, e a Bovespa tem no vencimento de opções sobre ações, nesta segunda-feira, um fator extra de volatilidade dos negócios locais, que ainda não fecharam uma semana de abril no positivo. A agenda econômica de balanços e de indicadores nos EUA pode ser o condutor do dia. Às 12h54, o índice recuava 0,88%, aos 61.561 pontos.

Um operador da mesa de renda variável de uma corretora paulista avalia que hoje “não deve ter muita briga” entre “comprados” e “vendidos” à luz do vencimento de opções sobre ações, uma vez que os strikes mais fortes estão distantes dos preços das ações no mercado à vista. “Os investidores puxaram as ações de Petrobras e Vale na quinta-feira passada e no dia seguinte derrubaram os papéis, praticamente limando as opções”, afirma.

Dessa forma, apesar da volatilidade esperada para o pregão de hoje, ao menos até o início da tarde por causa do exercício, o cenário externo deve ser o principal driver do dia. Por enquanto, novos números mistos sobre a economia dos EUA já foram anunciados.

O índice de atividade regional em Nova York caiu para 6,56 em abril. Já as vendas no varejo norte-americano cresceram acima do esperado no mês passado, em alta de 0,8% ante expectativa de alta de 0,3%, sendo que excluindo o setor automotivo, a alta foi de iguais 0,8%, de uma projeção de 0,5%.

Na Europa, o rompimento da marca de 6% no yield dos bônus espanhóis de 10 anos pela primeira vez desde dezembro traz certo desconforto às principais bolsas das regiões, limitando o fôlego de alta. Por aqui, na semana em que o Comitê de Política Monetária (Copom) anuncia a atualização da taxa básica de juros (Selic), mais um dado de atividade desanimador evidencia a fraqueza da economia doméstica. O índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou contração de 0,23% em fevereiro ante janeiro, na série com ajuste sazonal, no pior desempenho desde outubro de 2011. O resultado, porém, ficou melhor que a mediana das previsões coletadas pelo AE Projeções, que previam queda de 0,30%.

Em tempo: a BM&FBovespa divulgou a segunda prévia da carteira teórica do Ibovespa, válida para maio a agosto de 2012, que trouxe como novidade apenas as ações da Oi, que já são negociadas na Bolsa há uma semana. É válido lembrar também que, na quarta-feira, acontece o vencimento de opções sobre índice futuro e os investidores estrangeiros voltaram a ficar “vendidos” (aposta na baixa) nesse derivativo.

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: