Bovespa fecha estável, mas perde 6,95% na semana

Bianca Pinto Lima

23 de setembro de 2011 | 17h46

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) teve mais um dia de forte volatilidade, tendo recuado 0,99% na mínima e subido 1,08% na máxima. No fechamento, o Ibovespa ficou praticamente estável, em leve queda de 0,09%, aos 53.230 pontos. Na semana, o índice perde 6,95%, enquanto no acumulado do ano recua 23,19%.

Em Nova York, os principais índices acionários conseguiram fechar no terreno positivo. Dow Jones ganhou 0,35%, S&P 500 subiu 0,60% e Nasdaq teve alta de 1,12%.

No mercado de câmbio, o dólar devolveu todo o ganho da véspera ao fechar em queda de 3,56%, cotado a R$ 1,8420.

“O dia foi marcado pela forte volatilidade nas bolsas”, destaca André Perfeito, economista-chefe da corretora Gradual. Segundo ele, o conjunto de incertezas na economia deve permanecer. “Não acredito que o G-20 chegará a um plano para a crise neste final de semana, então o strees no mercado mundial vai continuar.”

Os ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20 estão reunidos em Washington e farão reuniões neste final de semana.

Nesta sexta, declarações do ministro de Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, trouxeram mais tensão às praças financeiras. O ministro grego admitiu em entrevista a um jornal local a possibilidade de calote e sugeriu um desconto de 50% na dívida. Logo em seguida, ele disse que a notícia era contraproducente. Mas a declaração já estava dada.

O ministro de Finanças da Alemanha também fez declarações nesta sexta e afirmou que é contra a criação de um bônus comum da zona do euro (eurobônus), mesmo se ele fosse emitido por países com classificação de risco triplo A (a mais alta).

Em Washington, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou que o risco de recessão global está mais alto hoje, mas que o Brasil está bem preparado para enfrentá-la. “É justo dizer que temos um sólido sistema financeiro. Os países têm hoje uma capacidade menor de reagir. Mas o Brasil está bem preparado.”

(Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.