Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bovespa ganha fôlego no final com otimismo sobre Europa e fecha em alta de 1,52%

Bianca Pinto Lima

26 de outubro de 2011 | 18h34

Os líderes da União Europeia conseguiram avançar hoje nas negociações para um pacote de medidas que solucione a crise financeira da região. O comunicado divulgado após a cúpula em Bruxelas não informa os números do plano, mas o simples consenso entre os membros deu força aos mercados no final da tarde.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ganhou fôlego na última hora do pregão e fechou em alta de 1,52%, retomando o patamar dos 57 mil pontos. As ações da mineradora Vale, que têm grande peso no Ibovespa, tiveram forte alta e ajudaram a impulsionar o índice. Vale PNA ganhou 2,49% e ON subiu 2,85%. A empresa divulga nesta noite o balanço do terceiro trimestre e há expectativa por bons números.

No cenário internacional, sites informam que os líderes europeus fecharam um acordo para reduzir o endividamento da Grécia em 50%, mas que ainda não fecharam a proposta junto aos investidores privados. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel,  teriam se comprometido a negociar diretamente com os bancos o perdão da dívida.

“Ninguém era ingênuo de achar que hoje sairia uma resposta definitiva para toda a crise europeia. Mas a cúpula deixou o sentimento de que haverá uma solução, mesmo que não imediatamente”, diz o economista André Perfeito, da Gradual Investimentos.

A perspectiva de que a China possa contribuir com o fundo de resgate europeu também deu ânimo às praças financeiras. Segundo uma autoridade do governo francês ouvida pelo Wall Street Journal, Sarkozy pretende telefonar para o presidente chinês, Hu Jintao, amanhã para discutir como Pequim pode contribuir. O fundo  teria como objetivo comprar títulos soberanos emitidos pela Grécia e por outras nações fiscalmente frágeis da zona do euro.

Em Nova York, as bolsas também reagiram com valorização e encerraram no terreno positivo. Dow Jones subiu 1,38%, S&P 500 teve alta de 1,05% e Nasdaq, termômetro do setor de tecnologia, ganhou 0,46%.

“Os resultados corporativos nos Estados Unidos foram muito bons no 3º trimestre e os investidores já começam a pensar no ano que vem”, afirma Perfeito. Segundo o economista, há espaço para a Bovespa recuperar as perdas que acumula em 2011, de -17%. No curto prazo, no entanto, ele alerta que a bolsa paulista poderá devolver parte dos expressivos ganhos de outubro até o final desta semana.

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: