Bovespa recua 1,07% com tensão sobre cúpula da UE; Ações da Petrobrás sobem

Bianca Pinto Lima

25 de outubro de 2011 | 18h30

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa de 1,07%, aos 56.285 pontos, devolvendo parte dos ganhos de segunda-feira. Além da realização dos lucros, o mercado doméstico foi influenciado pelo nervosismo que dominou as praças financeiras internacionais na véspera da reunião de líderes da zona do euro. A cúpula poderá resultar em um plano para enfrentar a crise da dívida do bloco, mas ainda há muitas dúvidas sobre se haverá consenso.

Durante a manhã, os ministros das Finanças da UE (Ecofin) cancelaram um encontro que ocorreria antes da reunião dos líderes nesta quarta, o que trouxe ainda mais desconfiança e prejudicou o humor dos mercados.

“Amanhã é o dia D. Tem que sair alguma coisa, senão teremos um agravante perigoso”, diz o analista-chefe da SLW, Pedro Galdi. Segundo ele, o mercado ficou em compasso de espera hoje e parte dos investidores aproveitou para realizar os ganhos de ontem.

As ações da Petrobrás, no entanto, foram na contramão do Ibovespa e encerraram a sessão no terreno positivo, figurando entre as maiores altas do índice hoje. Petrobrás ON valorizou-se 0,88%, enquanto PN subiu 0,76%.

“O preço do petróleo subiu bem. Além disso, o valor do papel está represado. Apesar desta alta, a ação (PN) acumula queda de 25% no ano, então está atrasada em relação às outras ações”, explica Galdi. Em Nova York, o contrato futuro de petróleo para dezembro subiu 2,08% e fechou a US$ 93,17.

Somado a isso, a empresa anunciou na segunda-feira um aumento na produção de petróleo e gás natural no Brasil e no exterior em setembro. A alta foi de 2,43% em relação ao volume registrado no mesmo mês de 2010 e de 1,41% ante agosto.

Em Nova York, os sinais negativos se repetiram: Dow Jones cedeu 1,74%, S&P 500 desvalorizou-se 2% e Nasdaq, termômetro do setor de tecnologia, perdeu 2,26%. No mercado de câmbio, o dólar fechou cotado a R$ 1,7640, em alta de 0,63%.

O encontro de chefes de Estado da União Europeia deve ocorrer na tarde de quarta-feira e o pacote poderá ter três elementos: a recapitalização dos bancos europeus, a reestruturação da dívida da Grécia e a alavancagem de 440 bilhões de euros do fundo de resgate da zona do euro. O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse hoje estar confiante com um resultado bem-sucedido do encontro de amanhã.

Além da expectativa com a Europa, as bolsas dos Estados Unidos reagiram a dados negativos sobre os preços de imóveis no país, que mostram que o mercado imobiliário norte-americano segue fraco. Os valores dos imóveis subiram 0,2% em agosto, mas caíram 3,8% na comparação com o mesmo mês de 2010.

Mais cedo, as praças financeiras europeias também fecharam no vermelho. O índice pan-europeu Europe 600 caiu 0,7%, para 240,29 pontos, após subir 1,3% na sessão anterior. As ações de bancos tiveram perdas, com BNP Paribas e Société Générale caindo ambos 3,8% em Paris, UniCredit recuando 3,4% em Milão e Barclays cedendo 3,6% em Londres.

Na Alemanha, o índice DAX 30 caiu 0,14%, a 6.046,75 pontos. O índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, caiu 0,41%, a 5.525,54 pontos. Já na França, o índice CAC-40 caiu 1,43%, para 3.174,29 pontos.

(Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: