finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bovespa reduz perdas no final e fecha em baixa de 1,74%

Bianca Pinto Lima

20 de outubro de 2011 | 18h28

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operou durante todo o dia no terreno negativo, mas conseguiu reduzir as perdas na última hora do pregão. O Ibovespa fechou em queda de 1,74%, aos 54.009 pontos, após recuar 2,47% na mínima do dia. Em outubro, a bolsa paulista acumula ganho de 3,22%, mas recua 22,07% em 2011.

“As ações da Petrobrás e da Vale tiveram quedas expressivas e pressionaram o Ibovespa. O petróleo e as commodities metálicas recuaram, o que também explica parte das perdas do índice”, diz André Perfeito, da Gradual Investimentos. O economista destaca ainda que o dia foi ruim para as bolsas emergentes de uma maneira geral e não apenas para o Brasil.

Os papéis PN da Petrobrás recuaram 2,13% e os ON -2,34%, enquanto Vale PNA perdeu 1,27% e ON 1,25%. Ontem, as ações da mineradora fecharam em queda de cerca de 3%.

“A decisão do Copom veio dentro do esperado, mas alguns investidores previam um corte mais forte dos juros, o que também pode ter influenciado a queda de hoje”, completa Perfeito. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu ontem, por unanimidade, cortar a taxa Selic em 0,50 ponto porcentual para 11,5% ao ano.

As principais praças financeiras da Europa fecharam com perdas significativas, após os holofotes se voltarem novamente para a Grécia e para a reunião de cúpula da União Europeia neste domingo. Paris caiu 2,32%, Londres perdeu 1,21% e Frankfurt teve queda de 2,49%. Já Milão cedeu 3,78% e Madri recuou 2,73%.

Diante das dúvidas sobre a possibilidade de um acordo entre os líderes europeus neste domingo, França e Alemanha informaram em nota que uma segunda reunião de cúpula será realizada na quarta-feira da próxima semana para que seja tomada uma decisão sobre o pacote de medidas para ajudar a solucionar a crise da dívida da zona do euro.

Os mercados de Nova York, por sua vez, tiveram um dia de volatilidade e conseguiram fechar com ganhos. Dow Jones ganhou 0,32% e S&P 500 teve alta de 0,45%. Já Nasdaq, termômetro do setor de tecnologia, recuou 0,21%.

“Essa semana os Estados Unidos tem uma agenda corporativa bem pesada e, por isso, a agenda econômica perde um pouco a força. O setor financeiro, por exemplo, reagiu bem devido a balanços positivos”, explica Perfeito.

No mercado de câmbio, o dólar fechou em alta pelo segundo dia seguido, cotado a R$ 1,793. Na sessão, caiu até a mínima pela manhã de R$ 1,7640 (-0,56%) e avançou à tarde até a máxima de R$ 1,8020 (+1,58%).

(Com Agência Estado)

Leia tudo sobre os mercados financeiros e a crise econômica nos Estados Unidos e Europa.

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: