Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bovespa tem leve alta após abertura

Yolanda Fordelone

19 de outubro de 2011 | 11h07

A esperança de ampliação dos recursos disponíveis na Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) durante a cúpula da União Europeia no fim de semana animam as bolsas ao redor do mundo. Durante a manhã, o mercado futuro no Brasil se mantinha pessimista, mas na abertura da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) o que se viu foi uma alta.

O Ibovespa abriu com ganho de 0,03%, a 55.083 pontos. O dia, porém, deve ser de volatilidade. Antes da abertura da Bovespa, o Nasdaq futuro caía 0,23% e o S&P 500 futuro recuava 0,42%. “Analistas não gostaram do resultado da Apple“, comenta o analista da Cruzeiro do Sul, Jason Vieira.

A companhia anunciou lucro de US$ 6,62 bilhões no quarto trimestre fiscal, ou US$ 7,05 por ação, contra o esperado de US$ 7,39 por ação. A receita foi de US$ 28,27 bilhões. Analistas esperavam o resultado de US$ 29,69 bilhões. As vendas de iPhones ficaram abaixo do número do trimestre anterior.

Na Europa, o clima é positivo, apesar das informações confusas sobre o tamanho do aumento do fundo de ajuda. Ontem, a imprensa afirmava que França e Alemanha aumentarão a capacidade da EFSF para € 2 trilhões. O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, no entanto, teria citado um aumento para no máximo € 1 trilhão. Outras autoridades europeias afirmam que as notícias da ajuda de € 2 trilhões estão erradas.

Apesar das especulações, o fato de que pode haver mais ajuda impulsiona os mercado. No horário, Londres subia 0,86%, Paris, 0,75%, Madri, 0,53%, e Frankfurt, 0,96%.

O mercado cambial, ao contrário, tinha queda. O dólar recua 0,11%, a R$ 1,759.

O destaque do dia no Brasil fica por conta da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para decidir a nova taxa básica de juros (Selic), atualmente em 12%. O mercado prevê uma redução de 0,5 ponto porcentual.

 

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiadólar

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: