Custos de proteção contra calote da Alemanha, Itália e Espanha batem recorde

Bianca Pinto Lima

22 de setembro de 2011 | 09h24

Os contratos de swap de proteção contra risco de crédito da Alemanha, Itália e Espanha atingiriam recorde de alta na esteira dos fracos indicadores econômicos europeus divulgados nesta manhã, os quais acentuaram as preocupações com as condições da economia global provocadas pelo anúncio ontem do Fed de que as dificuldades ao crescimento e aos mercados financeiros devem persistir.

Somando-se aos comentários sombrios do Fed, o indicador de atividade da zona do euro indicou contração em setembro, a primeira desde julho de 2009.

“Calculamos uma probabilidade de 50% de recessão no ano que vem (na zona do euro)”, disse o economista do Royal Bank of Scotland, Silvio Peruzzo.

O contrato de swap de crédito (CDS) de cinco anos da Alemanha atingiu o recorde de 110 pontos-base, 12 pontos-base acima do fechamento de ontem, segundo a Markit. O CDS da Itália, que tem fechado em nível recorde de alta todos os dias desta semana, subiu 39 pontos-base para o recorde de alta de 560 pontos-base. O CDS da Espanha avançou 25 pontos-base para o recorde de 455 pontos-base.

O spread da França estava acima do fechamento recorde de 13 de setembro, embora não fosse um recorde intraday. O CDS de cinco anos da França subiu 14 pontos-base para 204 pontos-base. As informações são da Dow Jones.

(Cynthia Decloedt, da Agência Estado)

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.