Dólar recua pelo 3º dia seguido e fecha abaixo de R$ 1,85

Bianca Pinto Lima

29 de novembro de 2011 | 16h47

O dólar fechou em queda pelo terceiro pregão consecutivo e voltou a ser cotado abaixo do patamar de R$ 1,85. A moeda recuou 0,54% nesta terça-feira e encerrou a R$ 1,8460. Apesar da desvalorização, a divisa norte-americana ainda acumula alta de 9% em novembro e 11% em 2011.

No mercado de ações, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera agora na contramão das praças financeiras internacionais. Após abrir em alta, o Ibovespa ficou volátil e neste momento recua 1,03%, aos 55.442 pontos.

Em Nova York, Dow Jones sobe 0,52% e S&P 500 tem alta de 0,46%. Já Nasdaq, termômetro do setor de tecnologia, perde 0,31%. O destaque fica por conta das ações da American Airlines, que recuam 79%, a US$ 0,35 por papel, após o anúncio de concordata feito nesta terça-feira.

Mais cedo, os principais índices de ações da Europa fecharam com ganhos. As bolsas no exterior reagem ao forte aumento na confiança dos consumidores dos EUA e às expectativas de que autoridades europeias reunidas em Bruxelas cheguem a um acordo sobre novas medidas para conter a crise das dívidas da zona do euro.

Os ministros de Finanças do bloco monetário devem acertar nesta terça-feira os detalhes da reforma na Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, em inglês), o fundo de resgate da zona do euro. “O mercado quer acreditar que Merkozy (a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy) estão falando sério desta vez. Eu ainda tenho minhas dúvidas”, disse Predrag Dukic, vendedor de ações da CM Capital Markets em Madri.

Ao longo da sessão, os índices europeus oscilaram entre perdas e ganhos, em parte por causa do baixo volume de negócios. “Os participantes de maior porte escolhem certos momentos e viram o mercado. Hoje foi um dia relativamente bom, mas amanhã será um novo dia”, disse Owen Ireland, corretor da Valbury Capital.

Nos EUA, o Conference Board divulgou que seu índice sobre a confiança do consumidor norte-americano saltou para 56,0 em novembro, de 40,9 em outubro. O resultado superou em muito a expectativa dos analistas ouvidos pela Dow Jones, de 45,0.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 1,83 ponto, ou 0,80%, para 231,68 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 avançou 24,24 pontos, ou 0,46%, para 5.337,00 pontos. Em Paris, o CAC 40 ganhou 13,83 pontos, ou 0,46%, para 3.026,76 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em alta de 54,58 pontos, ou 0,95%, a 5.799,91 pontos.

(Com informações de Dow Jones e Gustavo Nicoletta, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

Dólar; mercados; câmbio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.