Dólar sobe 0,70% e fecha cotado a R$ 1,874 

Estadão

28 de dezembro de 2011 | 17h46

Alessandra Taraborelli, da Agência Estado

SÃO PAULO – A alta da moeda norte-americana hoje pode ter sido causada mais por um movimento pontual do que estrutural. As notícias negativas vindas de fora pesaram sobre os negócios. O resultado negativo do fluxo cambial, embora esperado, também ajudou para elevar a cotação do dólar. Mas, segundo um operador de uma grande corretora, o que mais deve ter influenciado a cotação da divisa dos EUA foi uma grande operação de um player do mercado internacional por volta do horário do almoço aqui.

O dólar à vista no balcão encerrou esta quarta-feira em alta de 0,70%, a R$ 1,8740 – patamar que não era atingido desde 14 de dezembro, quando fechou o dia nesta mesma cotação.

Para o profissional, não foi possível identificar com precisão o que levou a moeda a subir hoje. Para ele, o start foi dado após um player do mercado internacional fazer uma grande operação em libra, o que acabou arrastando as outras moedas. “Um player lá fora fez uma grande operação em libra e arrastou o euro, o S&P e as outras moedas. Foi um efeito cascata. Mas foi um movimento pontual e não estrutural. As notícias de hoje não foram tão ruins assim, já tivemos notícias piores”, disse.

Na mínima, a moeda atingiu R$ 1,8570 e, na máxima, R$ 1,8870. Segundo a assessoria da BM&F, hoje não houve negociações na clearing de câmbio em D+2. Amanhã, não haverá em D+1 e, no dia 30, não serão realizadas D+0 e os negócios na clearing serão encerrados às 12 horas.

Logo cedo, a notícia de que não há data para que as negociações entre o FMI e a Hungria sejam retomadas pesou sofre os negócios. Para ajudar, o Fed vendeu US$ 8,63 bilhões em Treasuries, encontrando o triplo da média de demanda, enquanto os bancos também continuam estacionando recursos no Banco Central Europeu.

Por aqui, o BC informou que o fluxo cambial acumulado no mês até o dia 23 registrou uma saída líquida de US$ 2,108 bilhões. As saídas continuam ocorrendo pelo segmento financeiro, que fechou o período negativo em US$ 2,407 bilhões. As entradas pela conta de comércio exterior foram positivas em US$ 299 milhões. Na quarta semana de dezembro (de 19 a 23), o fluxo cambial foi negativo em US$ 2,096 bilhões.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.