Dólar sobe e fecha a R$ 1,8300

Bianca Pinto Lima

28 de setembro de 2011 | 16h40

O dólar comercial encerrou a quarta-feira cotado a R$ 1,8300, em alta de 1,16%. No mês, a moeda americana já acumula ganho de 14,81%. Às 16h38, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) cai 0,98%.

Após ter iniciado o dia em queda, o dólar logo mudou de lado, pressionado por declarações contraditórias das autoridades da zona do euro a respeito de uma potencial expansão na capacidade da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês).

No início da tarde, a moeda norte-americana engatou um movimento de renovação de máximas e chegou a atingir R$ 1,8360 no pico do dia, com a notícia de que Itália, Espanha e França vão prorrogar as restrições às vendas a descoberto de ações do setor financeiro até 11 de novembro. Em reação à essa notícia, as bolsas nos EUA intensificaram o sinal de baixa. Na mínima, o dólar balcão atingiu R$ 1, 7990. Na BM&F, o dólar pronto fechou a R$ 1,8252 , com ganho de 1,64%. Na máxima, a moeda na BM&F atingiu R$ 1,8270 e, na mínima R$ 1,8041.

No início da manhã, o Parlamento da Finlândia aprovou, em uma votação final, a legislação para modificar a EFSF. A votação teve 103 votos favoráveis e 66 contrários à legislação. Amanhã, é a vez da Alemanha tentar aprovar a ampliação dos recursos do EFSF. Até o momento, as mudanças já foram aprovadas por nove países de um total de 17 membros da zona do euro.

Por aqui, o BC informou que entre os dias 1 e 23 de setembro registrou ingresso de US$ 8,084 bilhões. De acordo com o BC, a forte entrada foi liderada pelas operações geradas pelo comércio exterior, responsáveis por US$ 7,789 bilhões no mês. Essa cifra é resultado de exportações que alcançaram US$ 20,470 bilhões, maiores do que as importações de US$ 12,681 bilhões. No segmento financeiro, foi registrada entrada líquida de US$ 295 milhões, resultado de ingressos de US$ 19,167 bilhões e saídas de US$ 18,872 bilhões. No ano até o dia 23 de setembro, o fluxo cambial acumula saldo positivo de US$ 67,897 bilhões, sendo US$ 36,903 bilhões pela via comercial e US$ 30,994 bilhões, pela financeira.

Tudo o que sabemos sobre:

Rebaixamento dos EUA; Bolsas despencam

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.