Dólar tem instabilidade após dado dos EUA e leilão de swap

Mariana Congo

25 de julho de 2013 | 10h43

Luciana Antonello Xavier

O dólar à vista no balcão abriu nesta quinta-feira, 25, em leve alta de 0,04%, cotado a R$ 2,251.

A cotação da moeda passou a cair ante o real após o anúncio de leilão de swap do BC e a divulgação de pedidos de auxílio-desemprego pior que o esperado nos Estados Unidos, mas depois retomou viés de alta e opera instável.

Às 10h40, o dólar à vista no balcão estava em alta de 0,13%, a R$ 2,253, após atingir a mínima de R$ 2,243 (-0,31%) e a máxima, de R$ 2,256 (+0,27%).

A mínima foi renovada às 11h04, para R$ 2,238.

O BC realizou mais um leilão de rolagem de swap cambial e vendeu os 20 mil contratos com vencimento para 2/1/2014, equivalente a um volume financeiro de US$ 993 milhões. O swap cambial é uma operação que equivale à venda de dólares no mercado futuro. É o quinto leilão de swap que o BC realiza desde a última quinta-feira. A operação faz parte da rolagem do próximo vencimento de swap cambial em 1º de agosto, que totaliza US$ 5,715 bilhões.

Nos EUA, o número de pedidos de auxílio-desemprego subiu 7 mil, para 343 mil, na semana passada, acima da estimativa de alta para 340 mil.

Ainda na agenda doméstica, os sinais de inflação são positivos. O IPC-Fipe caiu 0,16% na terceira quadrissemana de julho, ante alta de 0,18% na terceira medição de junho. O resultado ficou dentro do intervalo das previsões (-0,17% a 0%).

A presidente da República, Dilma Rousseff (PT), garantiu ontem que a inflação irá terminar 2013 dentro da meta estipulada pelo governo, obviamente se referindo dentro da banda de 2 pontos porcentuais de variação. “Quando alguém disser que a inflação está fora de controle, temos que responder que não é verdade, que a inflação de junho foi de 0,07% e vai fechar 2013 dentro da meta”, disse.

dólar à vista no balcão fechou em alta de 1,17% ontem, a R$ 2,250, no maior patamar desde o último dia 16. No mês, a moeda acumula alta de 0,85% e, no ano, de 10,02%.

Tudo o que sabemos sobre:

cotacao dolar;

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.