Eleições gregas estimulam rali nas bolsas da Ásia

Mariana Congo

18 de junho de 2012 | 08h18

Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado

TÓQUIO – A maioria dos mercados asiáticos fechou em alta acentuada nesta segunda-feira. Os investidores mostraram otimismo com o resultado das eleições na Grécia, no domingo, onde a direita pró-euro levou a melhor e deverá formar um governo de coalizão, diminuindo os temores de que o país irá deixar a zona do euro.

Este foi o exemplo na Bolsa de Hong Kong, que fechou na maior alta em mais de um mês. O Hang Seng avançou 1% e terminou aos 19.427,81 pontos, o maior fechamento desde 15 de maio. O volume de negociações, contudo, foi fraco, o que indica que os investidores estão à espera das reuniões do G-20 e do FOMC, dos EUA. Mengniu Dairy saltou 6,8%, mas Hong Kong Exchanges & Clearing despencou 4,5%.

As Bolsas da China ficaram no campo positivo. O Xangai Composto subiu 0,4% e terminou aos 2.316,05 pontos. O Shenzhen Composto ganhou 1,1%, aos 964,71 pontos. Os produtores de cimento e algumas imobiliárias lideraram o rali. Zhejiang Jianfeng avançou 2,9% e Anhui Conch Cement adicionou 1,4%. China Vanke teve alta de 0,9% e Gemdale escalou 0,6%.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta acentuada nesta segunda-feira. O índice Nikkei atingiu o maior fechamento em quase um mês, após a vitória do partido pró-euro nas eleições da Grécia. Isso facilitou o rali liderado por ações do setor financeiro e de exportadoras como Dai-ichi Life Insurance, TDK e Terumo.

O Nikkei subiu 151,70 pontos, ou 1,8%, e terminou aos 8.721,02 pontos, após ficar estável na sexta-feira – foi o maior fechamento desde 22 de maio. O volume de negociações seguiu fraco, com 1,48 bilhão de ações, novamente com os investidores à espera das reuniões do G-20 e do FOMC do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), nesta semana. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsaChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.