Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Europa fecha em baixa, Bovespa cede mais de 2% e dólar vai a R$ 1,80

Bianca Pinto Lima

20 de outubro de 2011 | 14h44

As principais praças financeiras da Europa fecharam com perdas expressivas nesta quinta-feira, após os holofotes se voltarem novamente para a Grécia. Paris caiu 2,32%, Londres perdeu 1,21% e Frankfurt teve queda de 2,49%. Já Milão cedeu 3,78% e Madri recuou 2,73%.

No mercado doméstico, a Bovespa testa novas mínimas nesta tarde após uma abertura em leve queda. Agora, o Ibovespa cai 2,34%, aos 53.681 pontos. Já o dólar opera na máxima, em alta de 1,58%, cotado a R$ 1,802. Em Nova York, os sinais negativos se repetem, mas com menor intensidade. Dow Jones perde 0,82%, S&P 500 recua 0,85% e Nasdaq, termômetro do setor de tecnologia, cai 1,56%.

O parlamento grego vota hoje mais medidas de austeridade em meio a greves e protestos da população. Uma pessoa morreu após ser ferida durante os violentos confrontos entre manifestantes em Atenas. O vice-presidente do Parlamento, Anastasios Kourakis, anunciou a morte durante o debate do projeto de lei com novas medidas de austeridade.

“A situação da Europa depende de um acerto político, que deve conciliar várias forças e grupos. Não é necessariamente tão racional, olhando somente a economia”, avalia o economista da LLA Investimentos, Sergio Manuel Correia.

Uma dessas forças é o grupo de credores do país que exige cortes de gastos antes de entregar à Grécia uma nova parcela de 8 bilhões de euros, do pacote de 110 bilhões de euros do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia.

Na Ásia, o dia foi de baixa. A Bolsa de Hong Kong, influenciada ainda pelas preocupações sobre a adoção de medidas de aperto monetário na China, perdeu 1,8%. A Bolsa de Tóquio fechou em queda de 1%, com empresas exportadoras, como a Honda, sofrendo com as incertezas do mercado.

(Com Agência Estado e Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: