Europa fecha em baixa com dados fracos e temor sobre dívidas; Bovespa oscila

Bianca Pinto Lima

22 de novembro de 2011 | 16h16

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado

Texto atualizado às 16h50

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam em baixa, pressionados por dados que mostraram redução na confiança do consumidor da zona do euro e um crescimento menor que o previsto na economia dos EUA durante o terceiro trimestre. Também pesou sobre as bolsas o fato de o custo do seguro da dívida de alguns países europeus, entre eles França, Bélgica e Espanha, ter atingido novos recordes hoje.

No mercado doméstico, a Bovespa tem volatilidade. A bolsa paulista abriu com valorização, depois à tarde passou a operar com perdas e agora oscila. Às 16h50 (de Brasília), o Ibovespa tinha leve queda de 0,20%, aos 56.173 pontos.

No câmbio, o dólar fechou o dia estável, cotado a R$ 1,8060. Em Nova York, os principais índices de ações também estão sem direção definida. No mesmo horário, Dow Jones recuava 0,15%, Nasdaq avançava 0,25% e S&P 500 tinha estabilidade.

Na Europa, os investidores também ficaram atentos aos juros relativamente elevados que a Espanha teve de oferecer ao mercado para vender € 3 bilhões em títulos com vencimento em três e seis meses. Os dois papéis tiveram de carregar juro levemente superior a 5%. No leilão anterior, os bônus de três meses ofereceram juros de 2,292%, enquanto os de seis meses tinham taxa de 3,302%,

O índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 1,49 ponto, ou 0,66%, para 223,27 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 recuou 15,78 pontos, ou 0,30%, para 5.206,82 pontos. Em Paris, o CAC 40 perdeu 24,26 pontos, ou 0,84%, para 2.870,68 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em baixa de 68,61 pontos, ou 1,22%, a 5.537,39 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB caiu 223,88 pontos, ou 1,54%, para 14.286,06 pontos. O IBEX 35, da Bolsa de Madri, recuou 116,10 pontos, ou 1,45%, para 7.904,90 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 teve queda de 65,38 pontos, ou 1,23%, para 5.263,57 pontos. O ASE, da Bolsa de Atenas, recuou 1,96 ponto, ou 0,29%, para 684,04 pontos.

Pela manhã, a Comissão Europeia divulgou que seu índice sobre a confiança dos consumidores da zona do euro caiu para -20,4 em novembro, de -19,9 em outubro. O declínio foi levemente menos acentuado do que o previsto por analistas, que esperavam uma leitura de -21,0. Nos EUA, o Departamento de Comércio anunciou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu à taxa anualizada de 2,0% no terceiro trimestre na comparação com o trimestre anterior. A leitura foi inferior à preliminar, de expansão de 2,5%, e também ficou abaixo da estimativa dos analistas ouvidos pela Dow Jones, de 2,3%.

Entre os destaques da sessão, as ações da Thomas Cook caíram 75,19%. A companhia de viagens, que possui cerca de 900 milhões de euros em dívidas, anunciou hoje que está tentando renegociar alguns acordos de empréstimo de curto prazo com bancos. A empresa também divulgou que adiou a publicação dos resultados do atual ano fiscal.

No setor financeiro, as ações também fecharam em baixa após a agência de notícias Reuters divulgar, citando fontes, que o banco Commerzbank talvez precise levantar mais capital do que o originalmente previsto para conseguir levantar sua taxa de capital Tier 1 para 9% e, dessa forma, cumprir as exigências da Autoridade Bancária Europeia. Os papéis do Commerzbank caíram 15,13%, enquanto os do Deutsche Bank perderam 1,77%. Em Paris, também recuaram BNP Paribas (-4,92%), Société Générale (-3,40%) e Crédit Agricole (-2,66%). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.