Europa fecha em baixa, mas PIB dos EUA limita perdas

Estadão

29 de agosto de 2012 | 14h31

Sérgio Caldas, da Agência Estado

A maioria das bolsas europeias fechou em baixa nesta quarta-feira, após uma sessão volátil, mas as perdas foram limitadas pela revisão positiva ao Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA e uma demonstração de união da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e do primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, que se reuniram hoje em Berlim.

O índice Stoxx Europe 600 caiu 0,1%, encerrando o dia aos 267,01 pontos, o menor nível desde 6 de agosto.

Nos EUA, o crescimento do PIB no segundo trimestre foi revisado para uma taxa anualizada de 1,7%, de 1,5% anteriormente, ficando em linha com a previsão dos analistas. Além disso, as vendas pendentes de imóveis subiram mais do que o esperado em julho e atingiram o nível mais alto desde abril de 2010, no último sinal de recuperação do setor imobiliário norte-americano.

Já Merkel e Monti voltaram a falar que a Europa tem meios suficientes para fortalecer a zona do euro e que os líderes da região chegarão a uma acordo sobre instrumentos especiais que possam ser necessários para reforçar a união monetária.

Os investidores, no entanto, continuam assustados com a possibilidade de a Espanha estar prestes a pedir um programa de ajuda integral. Recentemente, Madrid garantiu até 100 bilhões de euros em auxílio para o setor bancário espanhol.

Além disso, prevalece a cautela antes do simpósio anual de Jackson Hole, onde o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, fará discurso, na sexta-feira. Foi lá que, em 2010, Bernanke preparou o terreno para a segunda rodada de estímulos com o objetivo de sustentar a economia dos EUA. A esperança é que o evento deste ano seja o prenúncio de uma terceira rodada de relaxamento quantitativo.

O índice FTSE 100, de Londres, recuou 0,56%, fechando a 5.743,53 pontos. O setor de minério continuou em baixa, com Rio Tinto e Glencore perdendo 3% e 2,8%, respectivamente.

Em Paris, o índice CAC-40 registrou queda de 0,51%, para 3.413,89 pontos. Boygues despencou 9% após a decepção dos investidores com o fraco desempenho das operações de telefonia da empresa. Também influenciadas por balanços frustrantes, Accor cedeu 3,1% e L’Oréal caiu 4,4%.

O índice Dax, de Frankfurt, foi o único das principais praças europeias a subir hoje, com ganho de 0,11%, a 7.010,57 pontos. Deutsche Post avançou 1,1%, mas Lufthansa perdeu 1,3%.

Em Madri, o índice Ibex-35 fechou a 7.306,00 pontos, 0,37% abaixo do nível de ontem. No setor financeiro, caíram Santander (1,5%), CaixaBank (1,3%) e Bankinter (0,7%). Bankia, por outro lado, deu um salto de 16,15%.

Já a bolsa de Milão mostrou perda de 0,33%, com o índice FTSE Mib a 14.943,57 pontos. Banca Monte dei Paschi di Siena tombou 8%, enquanto Banco Popolare avançou 3,5%.

A bolsa portuguesa, em Lisboa, fechou praticamente estável hoje. Após os ganhos dos dois últimos pregões, o índice PSI-20, apresentou uma ligeira queda de 0,03%, encerrando a quarta-feira a 4.977,94 pontos. As informações são da Dow Jones.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.