Europa fecha em forte alta com rumores de acordos; Bovespa sobe e dólar recua

Bianca Pinto Lima

28 de novembro de 2011 | 15h13

Após uma semana de perdas e pessimismo, as bolsas da Europa voltaram a registrar fortes ganhos nesta segunda-feira. A valorização, contudo, apóia-se apenas em rumores sobre acordos de países da zona do euro, além de alguns dados positivos dos Estados Unidos.

Os investidores especulam sobre avanços nas negociações envolvendo o fundo de resgate europeu e uma linha de crédito do Fundo Monetário Internacional (FMI) à Itália, ambos não confirmados oficialmente.

Entre as principais praças financeiras da Europa, Londres fechou em alta de 2,87%, Paris ganhou 5,46% e Frankfurt subiu 4,60%. Já Milão teve alta de 4,60%e Madri ganhou 4,59%.

No mercado doméstico, a Bovespa segue o otimismo do exterior e opera com valorização. Às 15 horas, o Ibovespa subia 2,35%, aos 56.183 pontos. Já o dólar recua 1,49%, cotado a R$ 1,8570.

Em Nova York, os sinais positivos se repetem. Dow Jones sobe 2,78%, S&P 500 tem alta de 3,13% e Nasdaq ganha 3,60%.

Na Europa, uma boa notícia é a de que o Fundo Monetário Internacional (FMI) poderia oferecer até 600 bilhões de euros à Itália, a uma taxa de juros de não mais que 5%. O FMI, porém, negou que esteja em conversações com o país sobre o tema.

Há ainda a expectativa de que os ministros das Finanças da zona do euro apresentem amanhã um acordo sobre as regras operacionais para a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês). Segundo notícia da agência Reuters, as regras operacionais detalhadas para o fundo de resgate estão prontas para serem aprovadas pelos ministros.

“Também é positiva a notícia de que Alemanha e França estão se acertando”, afirma o operador da Renascença, Luiz Roberto Monteiro. Os dois países buscam agora um acordo radical para a zona do euro, com aprovação de todos os países do bloco.

Enquanto isso, a economia na região afunda. Segundo relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), França e Alemanha podem já ter entrado em recessão no quarto trimestre, sendo que para a Alemanha as perspectivas são de recuperação em 2012.

Nos Estados Unidos, dados do comércio mostram que as vendas no varejo subiram 16,4% no feriado prolongado de Ação de Graças, para US$ 52,4 bilhões em todo o país, especialmente na última sexta-feira, a conhecida Black Friday, quando os descontos nos produtos chegaram a 80%. Para hoje, a Cyber Monday – dia de descontos nas lojas online – a expectativa é de aumento nas vendas na internet.

(Com Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado, e Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios)

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.