Europa reduz ganhos, mas fecha no positivo com a ajuda de bancos; Bovespa cai

Bianca Pinto Lima

26 de setembro de 2011 | 13h37

As principais praças financeiras da Europa chegaram a operar com altas superiores a 3% nesta segunda-feira, impulsionadas principalmente pelas ações de bancos. Próximo ao fechamento, as bolsas reduziram os ganhos, mas ainda assim conseguiram encerrar no terreno positivo.

O que impulsionou o mercado europeu nesta segunda foram as expectativas de uma nova ação de políticos e do banco central para impedir o contágio de qualquer calote da Grécia.

Paris teve alta de 1,75%, Londres ganhou 0,45% e Frankfurt subiu 2,87%. Já Madri ganhou 2,56% e Lisboa valorizou-se 0,51%.

No mercado local, a Bovespa tem volatilidade e agora opera em leve queda de 0,16%, aos 53.147 pontos. Já o dólar sobe 0,27%, cotado a R$ 1,8470.

As ações dos bancos franceses BNP Paribas subiram 8,2% e as do Société Générale avançaram 7,9%. O índice de bancos STOXX Europe 600, com alta de 3,6%, e o indicador para seguradoras, com ganhos de 6,4%, lideraram os ganhos setoriais, com os bancos italianos, entre eles o Intesa Saopaolo entre os de melhor desempenho do dia, com alta de 8,1%.

Autoridades do Banco Central Europeu (BCE) deixaram em aberto opções para um corte na taxa de juros e para mais operações de aumento de liquidez, ditando os ganhos do mercado, após um encontro no final de semana de formuladores de política monetária da Europa ter alimentado esperanças de um aumento no fundo de resgate e injeção de mais dinheiro nos bancos.

O estrategista-chefe europeu de ações da Standard & Poor’s, Robert Quinn, disse que “o que está me surpreendendo hoje é que vimos seguradoras e bancos, muito golpeados recentemente, terem um bom desempenho. Mas ao mesmo tempo, as ações ligadas ao crescimento estão entre as que estão em queda”.

(Com Reuters)

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.