Hungria e Bélgica pagam juros mais altos em leilão de títulos

Estadão

28 de novembro de 2011 | 10h22

A Hungria e a Bélgica pagaram yields (retorno ao investidor) mais altos nos leilões de títulos do governo realizados nesta segunda-feira, 28. A Bélgica conseguiu vender o volume pretendido, mas a Hungria captou menos recursos do que o esperado. Os dois países tiveram seus ratings rebaixados na semana passada.

A Hungria vendeu 35 bilhões de florins húngaros (US$ 146,9 milhões) em títulos, abaixo da meta de 50 bilhões de florins. Os papéis, com vencimento em seis semanas, ofereceram yield médio de 7,24%, acima dos 6,63% do leilão anterior, realizado em 21 de novembro. A relação entre ofertas feitas e ofertas aceitas (bid-to-cover) caiu para 1,49, de 2,35.

A Bélgica vendeu 2,005 bilhões de euros em bônus do governo, levemente acima do volume entre 1 bilhão de euro e 2 bilhões de euros esperado. Os bônus de sete anos tiveram yield médio de 5,462%, em comparação com 4,072% no leilão anterior; os bônus de 10 anos tiveram yield médio de 5,659%, em comparação com 4,372%; os de 24 anos tiveram yield médio de 5,774%, em comparação com 4,396%; e os de 30 anos tiveram yield médio de 5,784%, em comparação com 4,280%. As informações são da Dow Jones.

(Danielle Chaves, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

bélgicahungriajurosleilãotítulosyields

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.