Mercados têm dia de recuperação e Bovespa fecha em alta de 2%

Bianca Pinto Lima

28 de novembro de 2011 | 18h39

As bolsas de valores ao redor do mundo tiveram um dia de forte recuperação nesta segunda-feira. Avanços nas negociações do fundo de resgate europeu, somados a planos para uma integração fiscal maior na Europa, levaram otimismo aos mercados neste início de semana. A forte demanda em leilões de bônus de Itália e Bélgica também ajudaram a compor o cenário positivo. Vendas expressivas nos Estados Unidos durante a Black Friday, data em que as lojas oferecem descontos de até 80% nos produtos, deram sustentação aos ganhos.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 2,05% e retomou o patamar dos 56 mil pontos. Dentre as ações com maior peso no Ibovespa, Petrobrás ON subiu 2,94% e PN teve alta de 2,33%, enquanto Vale PNA ganhou 1,28% e ON valorizou-se 0,99%. Braskem PNA liderou as altas do índice e subiu 6,61%.

“As commodities se recuperaram e a Bovespa teve um dia de alivio, mas a semana será complicada. Estão previstos diversos leilões de títulos de países da Europa, além da reunião amanhã dos ministros europeus da economia. Nos Estados Unidos tem a divulgação de dados do mercado de trabalho e por aqui a decisão do Copom”, diz o analista-chefe da corretora SLW, Pedro Galdi.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anuncia nesta quarta-feira a decisão sobre a taxa básica de juros, a Selic. A expectativa é de corte de 0,50 ponto porcentual, para 11% ao ano.

No mercado de câmbio, o otimismo fez o dólar encerrar o dia em queda de 1,54%, cotado a R$ 1,8560.

Em Nova York, os principais índices acionários também operam com ganhos expressivos. Às 18h30 (de Brasília), Dow Jones subia 2,18%, S&P 500 tinha alta de 2,48% e Nasdaq, termômetro do setor de tecnologia, ganhava 3,05%.

Os sinais positivos se repetiram na Europa mais cedo. Londres fechou em alta de 2,87%, Paris ganhou 5,46% e Frankfurt subiu 4,60%. Já Milão teve alta de 4,60%e Madri ganhou 4,59%.

Os investidores estão na expectativa de que os ministros da zona do euro apresentem amanhã um acordo sobre as regras operacionais para a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês). Segundo notícia da agência Reuters, as normas detalhadas para o fundo de resgate já estão prontas para serem aprovadas.

A possibilidade de uma maior união fiscal entre os países europeus também empolgou os mercados. A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, vai propor em dezembro uma mudança no tratado da UE para fortalecer as regras de estabilidade do bloco, o que daria à Comissão Europeia (braço executivo da UE) o direito de rejeitar propostas de orçamentos nacionais. A informação foi dada pelo ministro da economia alemão, Wolfgang Schaeuble.

Mais cedo, circulou a informação de que o Fundo Monetário Internacional (FMI) poderia oferecer até 600 bilhões de euros à Itália, a uma taxa de juros de não mais que 5%. O FMI, porém, desmentiu o fato durante a tarde.

Nos Estados Unidos, dados do comércio mostraram que as vendas no varejo subiram 16,4% no feriado prolongado de Ação de Graças, para US$ 52,4 bilhões em todo o país, especialmente na última sexta-feira, a conhecida Black Friday. Para hoje, a Cyber Monday – dia de descontos nas lojas online – a expectativa é de aumento nas vendas na internet.

(Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.