Papéis de bancos europeus disparam após ação de BCs

Estadão

30 de novembro de 2011 | 12h46

A promessa feita pelos principais bancos centrais do mundo hoje de oferecer financiamentos mais baratos em dólar desencadeou um rali nas ações de bancos europeus, com a esperança de que essa ação coordenada global vai suavizar as pressões de financiamento e as tensões sobre a liquidez no sistema financeiro do continente.

O Federal Reserve dos EUA, o Banco do Canadá, o Banco da Inglaterra (BOE), o Banco do Japão (BOJ), o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco Nacional da Suíça (SNB) concordaram em reduzir o preço dos acordos temporários de swap de liquidez em dólar existentes em 0,50 ponto porcentual. Isso fará com que a nova taxa seja reduzida para a taxa overnight índex swap, ou OIS, mais 0,50 ponto porcentual. O preço será aplicado em todas as operações realizadas a partir de 5 de dezembro. A autorização desses acordos de swap foi estendida para 1º de fevereiro de 2013.

Os bancos de todo o mundo precisam de dólares para atividades e empréstimos feitos na moeda norte-americana, além de pagar dívidas denominadas em dólar. Os bancos europeus têm experimentado dificuldade em conseguir dólares com taxas atraentes, após os fundos de money market dos EUA e outros credores reduzirem fortemente sua exposição à Europa.

Antes do anúncio dos bancos centrais as ações dos bancos europeus operavam em queda, e o custo para assegurar os bônus emitidos por essas instituições contra calote subiu nos últimos dias. Após o anúncio, por volta das 12h35 (de Brasília), os papéis do Barclays subiam 6,78%, Deutsche Bank ganhava 6,62% e Société Générale tinha valorização de 2,46%. O índice de bancos europeus Stoxx 600 avançava 4,2%.

Os custos dos contratos de swap de default de crédito (CDS, na sigla em inglês) dessas instituições também recuavam, com o índice iTraxx Senior Financials caindo 23 pontos-base, para 309/313 pontos-base. As informações são da Dow Jones.

(Álvaro Campos, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

bancos centraisbancos europeuspapéis

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.