coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Ações de siderúrgicas e Petrobrás garantem alta de 0,54% da Bovespa

Estadão

18 de abril de 2013 | 18h52

Claudia Violante, da Agência Estado

A Bovespa acompanhou o sinal negativo do exterior no começo do pregão, mas logo depois passou a subir e não abandonou mais o terreno positivo. A alta de Petrobrás foi determinante para o desempenho do pregão, mas siderúrgicas ajudaram. Vale, no entanto, oscilou e operou predominantemente em queda. Bancos também caíram.

O Ibovespa terminou o dia com valorização de 0,54%, aos 53.165,91 pontos. Na mínima, registrou 52.392 pontos (-0,93%) e, na máxima, 53.474 pontos (+1,12%). No mês, acumula perda de 5,65% e, no ano, de 12,77%. O giro financeiro totalizou R$ 6,873 bilhões. Os dados são preliminares.

As ações da Petrobrás chegaram a trabalhar no vermelho, mas conseguiram se recuperar e operaram em grande parte do dia com elevação acima de 3%. Um profissional comentou que o papel ficou mais leve após o exercício de Ibovespa futuro, ontem. Luis Gustavo Pereira, da Futura corretora, comentou ainda que, gradualmente, o mercado vem melhorando o humor com relação às ações da estatal, que se encontram com preços bastante atrativos. Petrobrás ON fechou em alta de 4,14% e PN, de 3,79%.

A OGX também contribuiu, ao operar entre estabilidade e alta durante quase toda a sessão. Fechou com ganho de 0,80%, a R$ 1,26.

O destaque dentre as empresas do grupo foi MMX, que subiu 1,66%, após ter concluído, junto ao BNDES, a última etapa do processo de contratação da suplementação do financiamento de longo prazo para o Superporto Sudeste, no valor de R$ 935 milhões.

Vale chegou a operar em alta, mas não sustentou. Caiu, repercutindo o relatório de produção, divulgado ontem. Um profissional comentou que ontem o mercado já vinha antecipando nos preços dados mais fracos, mas um movimento técnico fez as ações fecharem ontem com alta, na contramão do mercado. “Hoje, ela devolveu”, explicou. Vale ON caiu 1,73% e PNA, 1,74%.

No setor siderúrgico, Gerdau PN subiu 4,08%, Metalúrgica Gerdau PN avançou 3,31%, Usiminas PNA, 1,67%, e CSN ON, 1,56%.

O setor financeiro operou o dia todo em baixa. Pereira, da Futura, comentou que o mercado precificava uma alta mais forte da taxa Selic no encontro de ontem do Copom e isso pode ter sido usado como estopim para um movimento de realização de lucros no setor. Bradesco PN, -1,90%, Itaú Unibanco PN, -3,43%, BB ON, -2,79%, e Santander unit, -0,07%.

Tudo o que sabemos sobre:

BovespaPetrobrás

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: