Como pensar como um economista

Como pensar como um economista

Canal Econoweek

15 Dezembro 2018 | 05h00

Hoje nós do Econoweek vamos dar algumas dicas para qualquer pessoa começar a pensar como um economista. Todo o raciocínio que desenvolveremos aqui está resumido nos dois vídeos abaixo, então se você preferir o formato dos millennials mande ver.

Para quem prefere o método clássico aqui segue o texto. Pensar como economista não vai ajudar você a ganhar dinheiro pelo fato de mexer com dinheiro, mas por te dar o ferramental para entender as premissas que giram o mundo.

Do princípio, a palavra economia é um substantivo feminino. Trata-se da ciência que estuda os fenômenos relacionados com a obtenção e a utilização dos recursos materiais necessários ao bem-estar. É importante ter em mente que a Economia é o estudo de como fazer a melhor alocação de recursos diante da escassez.

Mas pra pensar como um economista você terá que ter consciência das dicas abaixo, então vamos a elas:

  1. O ser humano é auto interessado – As pessoas não fazem coisas que não trazem benefício para elas, mas por benefício não estamos falando só de dinheiro, mas de recompensa, seja financeira ou emocional e etc. Então, recompense quem te circunda. Seja dando mais atenção às pessoas queridas ou reconhecendo um bom funcionário. Eles continuarão retribuindo a você e todo mundo ganha.
  2. Entenda a ideia de valor subjetivo – valor é diferente de preço e cada um atribui um valor diferente para as mesmas coisas. Ou seja, cada um está disposto a gastar mais ou menos dinheiro em um mesmo produto e, apesar de a gente ter acabado de falar que o ser humano é auto interessado, uma pessoa pode enxergar valor em fazer serviço comunitário e se interessar em ajudar o próximo, enquanto outras não. Entender isso te fará ter melhores relações humanas.
  3. Sempre existe um custo de oportunidade – também conhecido como trade-off, isso quer dizer que sempre temos decisões a serem tomadas com lado bom e ruim. Escolher dedicar mais tempo e atenção ao trabalho provavelmente vai te dar um salário maior, mas isso também vai significar menos tempo de lazer, que também é muito importante. Outro exemplo é que investir em A, necessariamente, fará você não usufruir do rendimento da oportunidade B, que poderia ser maior. Saiba que tudo sempre será produto de escolhas.
  4. Custo marginal decrescente ou benefício marginal decrescente – isso significa que tudo vai ficar mais fácil ou perdendo a graça conforme o tempo. O 1º Big Mc é uma delícia! O 2º já é um pouco menos, o 3º um pouco menos e assim sucessivamente até o ponto que você pode passar mal, gerando desgosto em comer. Esse é o benefício marginal decrescente.
  5. A competição é uma coisa boa – se comparar com os outros – de maneira saudável – pode fazer você ter parâmetros mais elevados de exigência, fazendo você se esforçar mais na escola ou no trabalho, que pode trazer aquela promoção desejada ou ter excelência em sua formação.
  6. O comércio é um jogo sequencial – apesar da linha de pensamento dominante da economia dizer que o livre comércio é sempre benéfico, podem existir variáveis que pesam em uma competição e que não são nítidas aos olhos de todos. Um exemplo clássico é que um vendedor não quer fazer só uma venda. Assim, gastar mais tempo na execução da venda e no tratamento do cliente, pode gerar receitas futuras apesar desse “gasto” ser incerto.

Mas isso, essas foram algumas maneiras que um economista deve pensar e que ajudam a gente a ler a economia, a vida e o mundo, de maneira a ser mais benéfica para nós, afinal todo ser humano é auto interessado.

Esse texto foi pautado em um artigo do FED Mineapolis.

O conhecimento é sempre uma saída!