Taxa de corretagem: quanto custa investir?

Taxa de corretagem: quanto custa investir?

Canal Econoweek

07 Novembro 2018 | 07h39

Quando você vai investir pode se deparar com letras miúdas sobre os custos da aplicação. Muita corretora não explica lá muito bem quais são os custos e quando chega a conta vem o susto. E vale lembrar: SEMPRE você tem que olhar quanto vai pagar porque isso interfere na sua rentabilidade.

Se você lucra R$ 50 numa ação e paga R$ 60 de corretagem, na verdade você não lucrou, tomou prejuízo. Por isso, no vídeo de hoje o Econoweek vai detalhar como que funciona isso.

Começando pela renda fixa, no caso dos fundos, existe uma taxa chamada taxa de administração, um percentual cobrado anualmente da sua cota. Se você aplicar no Tesouro Direto, tem a chamada taxa do agente de custódia, um valor que a corretora cobra pra fazer a operação. Como a gente quer facilitar a sua vida, já está aqui o link com a descrição dos custos do Tesouro Direto em todas as corretoras.

Se você entrar lá vai ver todas as corretoras, inclusive as mais caras, chegando a cobrar 2%. A boa notícia é que tem um monte de corretora que não te cobra nada taxa zero, tem 36 corretoras pra ser mais exato. Quando a corretora fala lá, anuncia, que tem taxa zero ela tá falando dessa taxa, mas o que ela não pode te isentar é de outra cobrança chamada taxa de custódia. Nesse caso quem cobra é a própria bolsa, a B3, e não tem como fugir. É de 0,3% ao ano do valor que você está investindo.

Na renda variável, também tem algumas taxinhas que independem da corretora. Estamos falando do Imposto de Renda, dos emolumentos cobrados quando você ou vende uma ação, da taxa de liquidação, e por aí vai. Em relação à taxa de corretagem, tem muito jeito da corretora te cobrar. Quando você compra uma ação pode pagar um valor fixo, tipo R$ 10 ou R$ 15. Esse é o modelo de corretoras bem grandes, que cobram em cada venda ou compra de ação que não for posição liquidada no curto prazo, em algumas horas ou dias.

Também tem corretora que cobra uma taxa dependendo de quanto você está negociando, o que o mercado costuma chamar de Tabela Bovespa. Nesse modelo, você paga um valor fixo mais um variável (uma porcentagem sobre o que você está negociando). Pra quem está começando ou dando seus primeiros passos nesse mercado, surgiu uma terceira opção nesse ano com a Toro Investimentos. Lá eles indicam algumas ações que podem subir em um período predeterminado, tipo em algumas horas, semanas, meses. Eles confiam tanto nessas recomendações que criaram um negócio novo no Brasil: a corretagem ganha-ganha.  Se a pessoa tiver prejuízo, não paga nada de corretagem. Se lucrar, paga 10% desse ganho como corretagem. Ficou curioso? Chegou a hora de checar tudo no vídeo de hoje.