As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Contribuinte já pode enviar a declaração do IR com atraso

Programa emite boleto para pagamento da multa; segundo a Receita, 716 mil pessoas apresentam pendências no IR 2016

Bianca Pinto Lima

02 de maio de 2016 | 13h13

No site do Fisco, faça o download do IRPF 2015 e do Receitanet (Foto: Free Images)

Segundo o Fisco, 27,9 milhões de pessoas enviaram o IR no prazo

Quem perdeu o prazo do Imposto de Renda 2016, que terminou na última sexta-feira, pode enviar o documento com atraso a partir de hoje.  A multa é de 1% ao mês sobre o imposto devido, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% do tributo. O próprio programa emitirá uma espécie de boleto a ser pago.

De acordo com o Fisco, 27,9 milhões de contribuintes entregaram o documento dentro do prazo – dos 28,5 milhões que estavam previstos. Desse total, apenas 102,3 mil foram  enviados por dispositivos móveis. O rascunho da declaração de 2017, para quem já quiser se preparar para o próximo ano, já está disponível.

Na hora de calcular a multa, é importante destacar que imposto devido é diferente do imposto a pagar. O primeiro é o “imposto bruto”, antes do abatimento das eventuais retenções que o contribuinte teve ao longo do ano. Como, por exemplo, recolhimento de salário na fonte ou pagamento de carnê-leão. Enquanto que o segundo já é o resultado dessa subtração. Portanto, mesmo quem tiver direito à restituição pode ter uma multa pesada por atraso.

Uma pessoa que teve R$ 20 mil de imposto devido em 2015, por exemplo, mas recolheu ao longo do ano R$ 22 mil, terá direito a uma restituição de R$ 2 mil. Mas se entregar a declaração apenas em junho, por exemplo, terá de arcar com uma multa de 2%, ou R$ 400, independentemente da restituição.

Veja também
Cinco formas de pagar menos IR, sem contador
Dúvidas na hora de declarar? Confira as explicações
O que mudou nas regras do IR 2016
Quem pode ser declarado como seu dependente
Confira o calendário das restituições

Malha fina. Segundo o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, 716 mil pessoas já apresentam pendências no IRPF 2016. Ele disse, contudo, que este número é dinâmico, e que as declarações vão saindo dessa situação com a entrada de informações das fontes pagadoras, por exemplo.

Segundo o secretário, o contribuinte poderá, a partir de 15 de maio, verificar os motivos da retenção de sua declaração e fazer a autorregularização.

Para isso, é necessário acessar o centro virtual do Fisco, chamado e-CAC. Lá, é possível consultar um extrato online, que mostra eventuais erros ou omissões. O primeiro passo é gerar um código de acesso ou usar o certificado digital. Na própria página do e-CAC há um ícone explicativo: “saiba como gerar o código”.

Se forem detectados erros, a solução é simples: entregar a retificadora. Trata-se de uma segunda declaração, que substituirá por completo a original. As alterações podem ser feitas a qualquer momento, em até cinco anos, desde que o documento não esteja sob fiscalização.

Confira:
Governo quer IR maior para renda mais alta
Classe média já arca com a maior parte do IR

Caso haja imposto a restituir, o Fisco passará a considerar a data da retificadora, e não mais a da original, na hora de priorizar o pagamento.

Já se a declaração está correta e o contribuinte tem toda a documentação que comprova as informações, o caminho é solicitar a antecipação da análise. Para isso, é necessário esperar até janeiro de 2017, quando será possível agendar a visita a uma unidade da Receita Federal. Esse agendamento também deve ser realizado pelo e-CAC.

Melhorias. O secretário da Receita também anunciou algumas melhorias para a declaração de 2017. A primeira é o fim da necessidade de se baixar o programa Receitanet.

Isso porque o próprio programa de preenchimento da declaração já vai conter os mecanismos de transmissão. Outra novidade é que eventuais mudanças de versão do programa de preenchimento serão instaladas automaticamente.

Mais conteúdo sobre:

Imposto de RendaReceita Federal