'Abaixo de 4 Megas não é banda larga'

Para o presidente da GVT, não se pode considerar como acesso de banda larga aqueles com velocidade abaixo de 4 megabits por segundo. A operadora está iniciando suas atividades na Cidade do Rio de Janeiro.

Ethevaldo Siqueira

27 de janeiro de 2011 | 07h31

 Amos Genish, presidente da operadora de telefonia fixa GVT, diz que acessos com velocidades inferiores a 4 megabits por segundo (Mbps) não podem ser considerados de banda larga. A operadora só oferece acessos via fibra óptica com velocidade superior a 5 Mbps. O vice-presidente da GVT, Alcides Troller, diz ainda: “Nos contratos com nossos clientes, não colocamos aquela cláusula de que só garantimos 10% da velocidade contratada.”

Em encontro com a imprensa especializada ontem (26), a operadora lançou sua operação na cidade do Rio de Janeiro, e prometeu revolucionar o mercado de banda larga e TV por assinatura na segunda maior cidade do País, com três diferenciais em seus serviços de acesso em banda larga, internet e telefonia fixa via fibra óptica. São eles: maior velocidade na banda larga, menores preços e mais conteúdos, como TV, filmes e música. A GVT anuncia investimentos da ordem de R$ 1,73 bilhão em 2011 em todo País.

Para operar comercialmente no Rio de Janeiro, a GVT deverá investir cerca de R$ 400 milhões até 2012. A rede construída na fase inicial abrange 21 bairros com 73 mil acessos para telefones fixos e internet a velocidades de 5 Mbps a 100 Mbps, o correspondente a 15% da área urbana da capital fluminense.

Além da expansão no Rio de Janeiro, a empresa reafirma seus planos para a Cidade de São Paulo e TV por Assinatura este ano para fortalecer sua atuação como player nacional de comunicação e entretenimento.

A previsão é chegar a, pelo menos, dez novos bairros ao longo do ano e fechar 2011 com aproximadamente 180 mil acessos, totalizando 30% de cobertura. A expansão continua em 2012, quando a empresa pretende ampliar a rede para 50% da cidade.

Satélite importado

Para prestar serviços de televisão por assinatura do tipo DTH (Direct to Home), a GVT está importando um satélite que era utilizado até há pouco pelo consórcio Intelsat, o G-11, de banda KU, que cobria a África. O satélite está sendo deslocado da posição orbital 33 graus Leste, na órbita geoestacionária (a 36 mil quilômetros de altitude sobre o equador terrestre), para uma posição sobre o Brasil.

Além de oferecer produtos diferentes e originais, a GVT afirma que proporciona a clientes residenciais e empresariais economia de até 50% na conta mensal de telefonia e internet. O carro-chefe da empresa é a família de banda larga Power que inclui modem grátis na velocidade de 10 Mbps a R$69,90 e modem wi-fi nas opções 15 Mbps a R$49,90 mais serviço de proteção grátis com antivírus, antispyware e firewall.

Esses preços de banda larga são válidos para a aquisição dentro dos pacotes residenciais como, por exemplo, o pacote Premium, que oferece ao usuário até 11 mil minutos em ligações locais para telefones fixos de qualquer operadora, à noite e nos finais de semana, outros mil minutos para falar das 8h às 20h de segunda a sexta-feira, de 25 a 100 minutos grátis em ligações para celular de qualquer operadora e a mesma quantidade para fazer DDD com preço de ligação local.

No segmento de pequenas e médias empresas e de profissionais liberais está disponível a linha de serviços Economix Flex, com planos de 800 minutos a 25 mil minutos em ligações locais compartilhados por até 15 linhas telefônicas na mesma conta e banda larga também de até 100 Mbps. Nesta modalidade, o empresário pode optar por interligar endereços de filiais ou da sua residência e empresa de forma que as ligações entre esses dois pontos passam a ser gratuitas, independentemente da contratação de serviços de PABX.
Bairros atendidos no Rio

Nesta primeira etapa de atuação no Rio de Janeiro, a GVT prevê o atendimento dos seguintes bairros cariocas: Andaraí, Botafogo, Cachambi, Catete, Centro, Engenho Novo, Flamengo, Freguesia, Grajaú, Humaitá, Jardim Botânico, Lagoa, Laranjeiras, Maracanã, Méier, Pechincha, Riachuelo, Taquara, Tijuca, Todos os Santos e Vila Isabel.

Tudo o que sabemos sobre:

Amos Genishbanda largaGVT

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.