Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Wikipédia, uma utopia mundial?

Um dos melhores exemplos de colaboração em escala mundial é a enciclopédia virtual Wikipédia, escrita em 220 línguas, inclusive o português. Vale a pena conhecê-la mais de perto.

Ethevaldo Siqueira

07 de agosto de 2010 | 14h45

Quais as três forças ou vetores que mais transformam nosso futuro? Fiz essa pergunta ao cientista brasileiro Jean Paul Jacob, consultor e pesquisador emérito da IBM e da Universidade de Berkeley. Sua resposta foi a mais objetiva e direta: “Se tivéssemos que caracterizar o futuro em uma única palavra, essa palavra seria Colaboração. Em duas palavras, elas seriam Colaboração e Serviços. Em três palavras, elas seriam Colaboração, Serviços e Inovação.”

Confrontei depois essa visão com a de Don Tapscott e Anthony D. Williams, em seu livro Wikinomics – Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio (Nova Fronteira, Rio, 2007) – obra que recomendo a quem queira debater esse tema da colaboração, como grande tendência de nosso tempo. Entre os exemplos principais discutidos por Tapscott e Williams, estão a Wikipédia, Linux, YouTube, Second Life, MySpace, Flickr, InnoCentive e o Projeto Genoma Humano. Não vou fazer a resenha do livro, mas apenas recomendá-lo, já que meu tema é o mesmo de que trato aqui, mas sob o ângulo predominante de um projeto apaixonante, que é a Wikipédia.

Um dos projetos que está renascendo é o Esperanto, língua universal, lançada em 1887 pelo professor polonês Lázaro Zamenhof e que pretende tornar-se a segunda língua de cada povo. É falada por dois milhões de idealistas (www.esperanto.org) em todo o mundo. Com a web, essa língua internacional talvez ganhe nova força. Digo isso até como um desejo pessoal, pois minha mãe era uma esperantista apaixonada. Lembro-me de quando ela descobria outra pessoa que também era iniciada nessa língua utópica, ela começava dizendo: Mi parolas Esperanto!

O Linux, sistema operacional aberto e livre, é outra utopia que desafia os céticos (www.linux.org). Criado em 1991 por Linus Torvald, jovem finlandês, tornou-se excelente ferramenta didática para a educação, embora, até hoje não faça milagres nem inclua digitalmente milhões de pessoas como sonhavam alguns de seus apaixonados sacerdotes. Mas o simples fato de ser um sistema Unix-like, de grande estabilidade e confiabilidade, lhe garante um grande futuro.  A terceira quase-utopia que emerge com grande força em todo o mundo é a Wikipédia, enciclopédia virtual, online, fundada em 2001 por Larry Sanger, professor-convidado de filosofia da Universidade do Estado de Ohio e Jimmy Wales, empreendedor na internet. Esse projeto de difusão internacional do conhecimento está aberto à colaboração e ao acesso de qualquer ser humano (http//en.wikipedia.org).

Evolução de um sonho

Publiquei meu primeiro artigo sobre a Wikipédia em novembro de 2004, quando esse projeto tinha pouco mais de três anos, pois seu lançamento ocorreu no dia 15 de janeiro de 2001.  Os pesquisadores mais rigorosos me corrigirão e dirão que o momento do nascimento da Wikipédia foi exatamente às 21:08 (hora de Greenwich) do dia 16 de janeiro de 2001, quando o primeiro usuário fez, espontaneamente, a primeira consulta à enciclopédia virtual colaborativa. É provável que outros internautas terão outros critérios para me corrigir e espinafrar.

Esse é o lado mais emocionante da internet. Considero a Wikipédia um projeto admirável. Ele se insere nesse mundo de projetos colaborativos nascidos com a internet. Muitos deles buscam a paz, o entedimento, a melhoria do mundo, a democratização da cultura. São sonhos quase utópicos. Alguns estão dando certo. Parece milagre, mas a Wikipédia existe, funciona e é um sucesso – pelo menos até aqui, com 9 anos e meio – numa velocidade maior do que a língua universal do Esperanto e do software aberto.

Você já imaginou o que significa um site que permite ao usuário não apenas consultar, acessar todas as seções, mas, também, poder escrever artigos sobre qualquer tema, ampliá-los, completá-los, corrigi-los, editá-los, opinar, discordar e participar de discussões sobre tudo, no mais alto nível? Pois assim tem sido. Não há trote, nem baixaria. A Wikipédia é apresentada mundialmente em 220 idiomas, ou seja, em praticamente todas as línguas do mundo.

O melhor de tudo é que o site em português já tem quase 600 mil artigos (http//pt.wikipedia.org) – ou seja, dez vezes mais do que as maiores enciclopédias em nossa língua. Como não poderia deixar de ser, a Wikipédia em inglês é a campeã em número de artigos: mais de 3.370.000. Em sequência, vêm as edições em alemão (1,2 milhão), em francês (980 mil), polonês (719 mil), italiano (713 mil), japonês (694 mil), espanhol (629 mil), holandês (619 mil), português (597 mil) e russo (519 mil.

Que é wiki?

Mas que é wiki? No jargão criado para essa enciclopédia virtual, wiki é uma coleção de páginas da web conectadas entre si e abertas à visitação e à modificação (ou edição) por qualquer pessoa a qualquer momento. O conceito de wiki e o programa foram inventados por Ward Cunningham. Wiki vem da palavra havaiana wiki-wiki (que significa rápido, veloz) e que foi adotado nesta década como método eficiente para a edição colaborativa de documentos.

Diversas pessoas podem ser consideradas precursoras da ideia de usar máquinas ou sistemas automáticos, muito além da imprensa escrita, para construir uma enciclopédia de maior utilidade. Um dessas pessoas foi o livreiro Charles Ammi Cutter, em seu artigo The Buffalo Public Library in 1983 (publicado no Library Journal, em 1883). Outros precursores foram Paul Otlet, em seu livro Traité de documentation (1934); bem como H. G. Wells, no livro de ensaios World Brain (1938); ou um dos precursores da própria internet, Vannevar Bush, que propunha um sistema mundial de consultas baseado em microfilmes, que tinha o nome de Memex; e, por fim, o Projeto Xanadu, de Ted Nelson.

Seis de agosto na história

Em matéria de curiosidade e diversidade, nunca vi nada igual à Wikipédia. Escrevi este artigo na sexta-feira, 6 de agosto. A edição em português, traz nesta data um artigo especial sobre a Federação Internacional de Ginástica, na abertura de sua página principal, além de uma lista de eventos recentes, como um jornal mundial, que inclui a abolição das touradas na Catalunha, a queda de um avião nas proximidades de Islamabad, no Paquistão, e a vitória da seleção brasileira de voleibol, já na madrugada do sábado, sagrando-se eneacampeã mundial da Liga Mundial de Voleibol de 2010.

Na edição em inglês, o artigo de abertura é sobre a ópera Tosca, de Puccini. E, entre os fatos recentes, registra o novo período de atividades da coroa solar, com ejeção de massas que causamauroras boreais e austrais.  A edição em francês traz dois artigos de abertura, um sobre um jogador de rugby franco-alemão, campeão francês de 1944, falecido em 1994, totalmente desconhecido de nós, brasileiros. Outro artigo sobre a República de Marquetália, uma zona autônoma, na Colômbia, uma espécie de refúgio de camponeses e de pessoas que fogem da violência da guerrillha das FARCs.

A edição em italiano traz três artigos de abertura, sendo dois sobre grandes cidades do mundo – São Francisco e Marselha – e artigo sobe o mais alto edifício de Nova York, o Empire State Building. Por que se chama Empire State? Porque esse é o apelido do Estado de Nova York (Estado Império).

Entre as efemérides registradas por diversas edições, do português ao esperanto, uma montanha de fatos interessantes, os 65 anos da primeira bomba atômica lançada sobre um país, em 6 de agosto de 1945, em Hiroxima, matando imediatamente mais de 70 mil pessoas. Eram exatamente 8h15 da manhã, quando o avião (uma fortaleza voadora B-29) Enola Gay lançou a bomba apelidada de Little Boy sobre a cidade japonesa.

Entre outras efemérides,  selecionei as seguintes comemoradas no dia 6 de agosto.

* Neste dia em 1926, o famoso mágico Harry Houdini faz sua maior proeza, passando 91 minutos debaixo d’água, num tanque hermeticamente selado, antes de escapar.

* Em 1960, Cuba decide nacionalizar as propriedades norte- americanas no país, em resposta ao embargo decretado pelos EUA.

* Em 1962, a Jamaica torna-se independente.

* Em 1964, Prometheus, um velho pinheiro (Pinus longevae), com pelo menos 4.862 anos de idade, foi cortado por um estudante de pós-graduação e por funcionários do US Fores Service, para “fins de pesquisa e estudos científicos”.

* Em 1991, o físico inglês Tim Berners-Lee divulga os arquivos que descrevem sua ideia sobre a World Wide Web (www), o que significa uma espécie de pré-estreia mundial da internet como a conhecemos hoje.

* Entre as figuras famosas nascidas em 6 de agosto, estão: o poeta inglês Alfred Lord Tennyson (1844).

* Alexandre Fleming, cientista escocês, Prêmio Nobel de Medicina de 1945, descobridor da penicilina, nascido em 1881;

* Baden Powel de Aquino, o nosso violinista famoso, em 1937.

Neste 6 de agosto, o Brasil comemora o centenário de nascimento do compositor de sambas Adoniram Barbosa, nome artístico de João Rubinato.

Mas há muitas outras efemérides que se comemoram em 6 de agosto e que as diversas edições da Wikipédia registram, entre as quais a fundação de Pirassununga (1823); a independência da Bolívia (1825); a inauguração da Ponte Salazar (hoje Ponte 25 de Abril) sobre o Rio Tejo, em Lisboa (1966); o corredor Joaquim Cruz ganha a medalha de ouro nos 800 metros nos Jogos Olímpicos de Los Ângeles (1984); morte de Jorge Amado (2001); morte de Roberto Marinho, aos 98 anos (2003).

Se você ainda não conhece a Wikipédia, comece a acessá-la pelo endereço www.wikipedia.org e, daí para frente, nas diversas línguas que preferir.

Bom passeio cultural.

Tudo o que sabemos sobre:

Colaboração;EnciclopédiaLinuxUtopia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: