finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Os incríveis avanços sem fio

Um balanço do Congresso Mundial de Mobilidade 2011 mostra avanços extraordinários da tecnologia de comunicações sem fio. Confira.

Ethevaldo Siqueira

17 de fevereiro de 2011 | 22h14

Nunca um evento mundial de comunicação sem fio apresentou tantas novidades quanto este Congresso Mundial de Mobilidade (Mobile World Congress 2011), que se realizou nesta semana, de 14 a 17, em Barcelona.

Comecemos pelos primeiros celulares e tablets com imagens tridimensionais ou 3D, lançados esta semana aqui pela LG coreana.

O lançamento foi, na verdade, uma grande surpresa, pois ambos os dispostivos – smartphone e tablet – são capazes de gravar e reproduzir vídeos em 3D. O segundo ponto surpreendente é permitir ao usuário a visão 3D sem a necessidade de uso de óculos especiais.

Comercialmente, os produtos são designados como smartphone Optimus 3D e tablet Optimus Pad. Ambos dispõem de duas câmeras paralelas de 5 megapixels cada que registram imagens simultaneamente, gerando, assim, a percepção visual de 3D


Tablets e smartphones com imagem 3D encantam as pessoas (Foto Ethevaldo Siqueira)

A LG fez demonstrações com gravações ao vivo, na cara dos visitantes do estande. As fotos e vídeos eram transmitidos para um monitor de TV. Nessa demonstração, para que as pessoas pudessem ver a imagem em 3D na TV, entretanto, era necessário o uso de óculos especiais. Os dois produtos deverão ser lançados comercialmente ainda no primeiro semestre deste ano.

As mais interessantes inovações apresentadas no evento de Barcelona foram, sem dúvida, nas tecnologias de  acesso sem fio em alta velocidade e na miniaturização dos equipamentos das estações radiobase (ERBs).

Na realidade, existe uma verdadeira corrida mundial em busca de velocidades cada vez maiores nos acessos sem fio das tecnologias denominadas High Speed Packet Access (HSPA, envolvendo download e upload em alta velocidade), Evolução de Longo Prazo Empresas (Long Term Evolution ou LTE) ou, em sentido amplo, tecnologias de quarta geração (4G).

Nessa corrida, a germano-finlandesa Nokia Siemens Networks, a sueca Ericsson e a operadora japonesa NTT DoCoMo ultrapassaram a barreira dos 500 megabits por segundo (Mbps) e prometem chegar a 1 gigabit (Gbps), ou seja, mil megabits/segundo.

Outro ponto revolucionário deste congresso de mobilidade foi a miniturização de estações radiobase ou ERBs, numa disputa acirrada entre empresas como franco-americana Alcatel-Lucent, a Ericsson e a Nokia Siemens, que mostraram versões incrivelmente miniaturizadas dessas imensas torres e antenas dessas ERBs. O destaque maior coube à Alcatel-Lucent com um sistema formado por dois minúsculos componentes capazes de substituir totalmente as torres e antenas das atuais estações radiobase (ERBs).

Desenvolvido pelos Laboratórios Bell, em conjunto com grandes operadoras mundiais, e designado comercialmente de LightRadio, o novo sistema, compõe-se de dois pequenos módulos menores do que um maço de cigarros.

Outros pontos de destaque deste evento foram os aplicativos para smartphones e tablets, dos quais foram apresentados milhares de jogos e programas desenvolvidos para entretenimento ou serviços pessoais.

A maior das guerras foi travada entre os três maiores sistemas operacionais utilizados em smartphones: o Android, o Windows Phone 7 e Apple iOS. A aliança entre a Microsoft e a Nokia para adoção do sistema operacional Windows Phone pela empresa finlandesa foi o tema de maiores discussões.

A partir de 2012, o Congresso de Mobilidade poderá mudar de Barcelona para outra cidade (Foto Ethevaldo Siqueira)

Depois de ser realizado durante quatro anos consecutivos em Barcelona, o Congresso Mundial de Mobilidade poderá mudar de local a partir do ano de 2012 – pois a entidade promotora do evento, a GSM Association (GSMA), irá escolher uma nova sede do evento entre as cidades candidatas, Paris, Milão e Munique.

Tudo o que sabemos sobre:

Congresso Mundial de MobilidadeMobilidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.