Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Porto Seguro é a primeira operadora virtual

Uma operadora virtual de telefonia celular não tem infraestrutura própria, pois aluga a de outra operadora. A Porto Seguro é a primeira opedora virtual do País. O novo modelo visa, acima de tudo, oferecer novas opções ao usuário.

Ethevaldo Siqueira

24 de maio de 2011 | 10h04

A Porto Seguro Telecomunicações é a primeira operadora virtual de telefonia celular do Brasil, em associação com a Datora Telecom, a Ericsson e a TIM. Conhecidas internacionalmente pela abreviatura MVNO (de Mobile Virtual Network Operators), as operadoras virtuais de telefonia celular constituem um dos modelos de competição mais interessantes e originais em telefonia. Seu objetivo central é oferecer serviços diferenciados e personalizados de telefonia celular.

Nesse novo modelo, a Porto Seguro Telecomunicações utilizará a rede de acesso da TIM, enquanto a Ericsson fornecerá os serviços gerenciados, todos os softwares, hardwares, instalação e integração dos serviços da primeira operadora virtual móvel do Brasil. A nova operadora deve iniciar suas atividades até o final deste ano,

Para Ítalo Flammia, diretor de Tecnologia da Informação da Porto Seguro, “a operadora virtual foi criada com o objetivo de agregar serviços diferenciados a seus clientes e corretores e aproveitar a possibilidade de convergência com outros produtos da seguradora, além de otimizar a gestão interna de custos com telefonia celular”. A empresa possui 8,5 milhões de itens segurados, dos quais 3,8 milhões são veículos. a meta da Porto Seguro é alcançar em 3 anos 1 milhão de assinantes, com investimentos da ordem de R$ 70 milhões.

Inicialmente só os clientes da Porto Seguro serão clientes de telefonia celular da operadora virtual, informa Ítalo Flammia: “Como esse é um mercado de nicho, nosso objetivo é dar esses clientes algo mais em qualidade, padrão de atendimento e facilidades especiais, como a localização GPS a qualquer instante, informações personalizadas sobre trânsito, recursos de pagamento eletrônico via celular, inclusive com tecnologia NFC (Near Field Communications).”

A empresa virtual será formada, na realidade, por um tripé, sobre o qual atuará a Porto Seguro. Seus três parceiros são: a TIM, com suas antenas; a Ericsson, responsável por todos os equipamentos, softwares para a plataforma tecnológica; e a Datora Telecomunicações, com a inteligência e a tecnologia da informação.

Segundo Eduardo Ricotta, diretor da Ericsson do Brasil, sua empresa tem grande experiência internacional na área de MVNOs. Jesper Rhode, diretor de Inovação da Ericsson para a América Latina ressalta que “os modelos de negócios das MVNOs são sempre diversificados e dependem muito do mercado onde acontecem, dos objetivos da empresa, do posicionamento da marca, das condições e das capacidades.”

Segundo Daniel Fuchs, vice-presidente de Inovação da Datora, a sua longa experiência de sua empresa na área de telecomunicações deverá conferir maior segurança a todos os aspectos ligados à tecnologia e à operação dos serviços. A empresa foi uma das pioneiras em telefonia de voz sobre protocolo IP, no Brasil e no mundo.

Segundo preveem os especialistas, as MVNOs deverão atrair cerca de 16 milhões de novos assinantes no Brasil e deverão alcançar um faturamento anual de US$ 1 bilhão de faturamento, por volta de 2016.

A operadora percebida pelo cliente detém toda a estrutura comercial e de atendimento, mas sua rede é virtual, pois, como citado, pertence a uma das operadoras tradicionais que partilha a receita gerada e recebida com a Operadora Virtual.

As operadoras virtuais móveis criarão novas oportunidades de negócios, principalmente, para as grandes empresas que buscam promover inovação, convergência de produtos e serviços com mobilidade, geração de novas receitas e fidelização da base de clientes. A previsão de analistas do mercado é de que as MVNO’s atraiam no país 16 milhões de assinantes e US$ 1 bilhão de faturamento, em cinco anos.

Como funciona no mundo

As operadoras virtuais (MVNOs) nasceram há cerca de 8 anos na Europa, em especial nos mercados próximos da saturação. Os países que maior experiência têm de MVNOs são Reino Unido, Irlanda, Suécia, Austrália e Japão. O modelo se espalha, entretanto, por quase todo o mundo.

Uma MVNO é uma empresa que presta serviços de telefonia móvel, mas não possui sua própria faixa de frequência licenciada e não dispõe, necessariamente, de infraestrutura própria prestar a prestação dos serviços.

As MVNOs geralmente atuam em nichos de mercado onde as operadoras tradicionais não querem ou não podem atuar, atraindo consumidores pela força da marca ou pelo foco dado à prestação do serviço no mercado.

Há dois tipos de operadoras móveis virtuais no mundo: a) as credenciadas, que simplesmente representam uma operadora tradicional telefonia celular e apenas revendem assinaturas; b) autorizadas, que prestam todos os serviços, mas que não dispõem de infraestrutura própria.

A grande promessa das MVNOs é o tratamento diferenciado, que pode ser traduzido na soma da qualidade técnica com o melhor relacionamento possível com o cliente. Isso não significa, necessariamente, menores preços. As mais bem sucedidas do mundo funcionam até como griffes, sofisticando os serviços, agregando valores de diversos tipos, seja no tratamento ao cliente nos call-centers, seja na personalização dos serviços.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: