TV Google, a revolução da convergência

A TV Google associa as belas imagens da TV com os novos conteúdos da internet. Para criá-la, o Google trabalhou em conjunto com a Sony, a Intel e Logitech. O produto é um exemplo perfeito do processo de convergência em eletrônica de entretenimento.

Ethevaldo Siqueira

23 de maio de 2010 | 20h00

Convergência quer dizer, entre outras coisas, a fusão de tecnologias e de funções. Ou da possibilidade de criarmos equipamentos e dispositivos multifuncionais. Por falar em multifuncionais, é bom lembrar que eles estão invadindo o mercado. Mais do que isso: estão vencendo.

Mas o que é um multifuncional? – perguntarão alguns. Melhor do que dizer que são equipamentos ou dispositivos que têm duas ou mais funções será dar exemplos concretos. Pois bem: entre os melhores exemplos de multifuncionais todos os leitores conhecem estão os celulares que fotografam, baixam arquivos, transmitem vídeo ou e-mails, localizam pessoas. Ou as impressoras que associam as funções de fax e de copiadoras e outros aparelhos. Ou ainda os tablet PCs, como o iPad ou outros, que são, ao mesmo tempo, computadores de mão, leitores eletrônicos (e-readers ou e-books) e terminais de internet que se comunicam pela rede celular, Wi-Fi ou WiMAX.

Em menos de dois anos, leitor, sua TV, seu computador e sua internet estarão convivendo num único aparelho. O mais novo multifuncional da eletrônica de entretenimento é a TV Google, anunciada no dia 20 de maio. Ela é resultado do casamento da TV com a internet e o computador pessoal. Sua criação se deve ao trabalho conjunto de quatro corporações que se aliaram: Google, Sony, Intel e Logitech.

Cada uma dessas quatro corporações teve um papel bem definido nesse projeto. Coube ao Google contribuir com sua gigantesca plataforma mundial de aplicativos e, em especial, com o conteúdo de quase 2 trilhões de páginas de informações indexadas, sob a forma de textos, fotos, vídeos e áudios. Com isso, estarão disponíveis nos novos televisores a maior massa de conteúdo informativo já armazenado na história da humanidade por uma empresa ou instituição.

À Sony incumbiu a tarefa de viabilizar a produção de um televisor inteligente dessa nova geração. À Intel foi conferida a missão de fornecer a microeletrônica e os chipsets associados ao projeto. E à Logitech International foi dada a missão de desenvolver o conversor de toda a sinalização recebida e transmitida em protocolo IP, nessa associação entre internet, computador e televisão.

Vantagens

A primeira vantagem dessa união entre TV e internet é a utilização dos monitores de alta qualidade e maiores dimensões da TV – em comparação com os monitores dos computadores – para a projeção de imagens, gráficos, textos e vídeos da internet.

Na verdade, TV Google é o resultado da digitalização e a convergência, duas grandes tendências da eletrônica de entretenimento na atualidade. Como sabemos, o mundo hoje é uma plataforma digital. Por outras palavras, tudo em eletrônica e comunicações se transforma em bits.

O texto que o internauta tem agora diante dos olhos é resultado direto do processo de digitalização dos sinais que representam voz, dados, imagens, fotos, vídeo, gráficos ou textos – tudo isso convertido nessas unidades binárias de informação que a tecnologia dá o nome de bits, forma reduzida de binary digits, ou dígitos binários.

Com a digitalização, assistimos à mudança mais radical no modo de se armazenar, organizar, processar e transmitir a informação. A representação do som passa de ondas contínuas para correntes de bits. O mesmo se dá com a imagem, o vídeo, os textos, enfim, com todas as formas de comunicação.

Mais do que uma descrição da TV Google – que deverá chegar ao Brasil no começo de 2011 — gostaríamos que este pequeno artigo servisse de reflexão sobre o significado dos processos de digitalização, convergência, mobilidade, personalização e multifuncionalidade, que constituem hoje as grandes tendências da maioria dos produtos de eletrônica de entretenimento.

Sob muitos aspectos, vivemos a era da convergência, cujo melhor exemplo é, sem dúvida, a internet. Nenhum outro processo de fusão de tecnologias e de dispositivos tem tido tão grande impacto quanto a convergência em toda a história das comunicações e da tecnologia da informação.
   
Mais TV Google: http://blogs.estadao.com.br/renato-cruz/

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.