Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Desoneração menor da folha de pagamento pode gerar demissões em 54% da indústria, diz Fiesp

Renato Jakitas

02 de junho de 2015 | 15h44

As mudanças no sistema de desoneração da folha de pagamento propostas pelo governo devem provocar demissões em 54% das indústrias paulistas, disse hoje a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

Ainda segundo a entidade, que acaba de divulgar um estudo conduzido com 339 empresas da indústria de transformação do Estado, 40% dos empresários afirmaram que aumentarão seus preços para compensar a elevação dos custos causados pela medida.

Anunciado como parte dos esforços de contingenciamento do governo federal, a desoneração menor da folha de pagamento vem sendo duramente criticada pela Fiesp desde o início. Divulgada em março como uma Medida Provisória (MP), o pacote de alterações foi posteriormente revertido para o Projeto de Lei 863/2015. Atualmente, o projeto está paralisado na Câmara, aguardando parecer de três comissões parlamentares.

Mas segundo o levantamento da Fiesp, se passar pela Câmara, 52% das pequenas empresas, 57% das médias e 54% das grandes disseram que terão de demitir para ajustar as finanças. E a maioria das empresas que já analisaram as novas regras deve mudar a forma de calcular e recolher a contribuição previdenciária, passando a usar como base a folha de pagamentos (20% dos salários), em vez da receita bruta (2,5% do faturamento).

“Qualquer mudança (na atual regra de desoneração da folha de pagamento) significa perda de empregos e isso só agravará o quadro de crise pelo qual estamos passando”, afirma José Ricardo Roriz Coelho, diretor do departamento de competitividade e tecnologia da Fiesp (Decomtec).

Tudo o que sabemos sobre:

FiespGoverno

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: