A faceta ‘O Médico e o Monstro’ de Barbosa

Últimas declarações do ministro da Fazenda mostram tentativa de colocar os pés em duas canoas

Fábio Alves

13 de janeiro de 2016 | 12h32

Mesmo desautorizando a ideia de que anunciará um pacote de medidas para ressuscitar a economia, o que tem se observado nas últimas declarações do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, é a tentativa dele de colocar os pés em duas canoas.

Uma que agrada ao Partido dos Trabalhadores e aos movimentos sociais; outra que apazigua os ânimos do mercado financeiro.

Se numa hora Barbosa diz que o governo vai tentar elevar o crédito via banco público, noutra ele descarta criar novos subsídios para isso.

Nessa estratégia, ele não está sozinho: a própria presidente Dilma Rousseff vem tentando agradar a gregos e não desagradar tanto a troianos ao dizer que é muito difícil fazer o reequilíbrio fiscal sem frear a queda da atividade econômica, mas garantindo que ninguém do governo, além do Banco Central, é autorizado a falar sobre juros.

De um lado, Barbosa e Dilma escolhem uma projeção perto do teto das estimativas dos analistas para a inflação de dezembro a fim de dar um reajuste gordo ao salário mínimo, mas, de outro, não querem reajustar a tabela do Imposto de Renda argumentando a necessidade do equilíbrio fiscal.

Assim, os investidores vão ter de conviver com essa faceta “O Médico e O Monstro” (romance de Robert Louis Stevenson) por parte de Dilma e Barbosa.

E essa estratégia tem como uma das explicações a tentativa desesperada para afastar a ameaça do impeachment, ao manter um discurso heterodoxo, com medidas típicas da Nova Matriz Econômica, tão comuns no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

É por meio desse discurso e ação que a presidente conseguirá manter o apoio importante de parte crucial da sua base aliada, incluindo aí os movimentos sociais, para se defender dos que querem podar seu mandato antes do tempo.

Já o outro pé nessa canoa, amenizando esse discurso e ações com palavras e medidas mais conservadoras ou ortodoxas, tem como explicação o fato de que nem Dilma nem Barbosa podem se dar ao luxo de mandar o mercado financeiro plantar batatas.

Medidas tresloucadas – como o uso de reservas internacionais para alavancar os investimentos públicos – podem levar a uma disparada do dólar, com efeitos perversos para a inflação e para a atividade econômica.

Aliás, medidas até não tão tresloucadas, mas que possam levar a uma fatura amarga no médio prazo, como foram as muitas durante o primeiro mandato de Dilma, também podem gerar um estresse nos preços dos ativos. E isso tem o potencial de asfixiar a economia do mesmo jeito.

Assim, é muito provável que, ao longo de 2016, Barbosa siga colocando os pés em duas canoas num esforço para ganhar tempo para a sobrevivência da chefe.

A questão é: até quando os movimentos sociais, de um lado, e os investidores, de outro, vão aceitar essa postura tucana, por assim dizer?

Dependendo do caminhar do processo de impeachment, a partir de março, Barbosa e Dilma poderão pender mais para um dos lados.

Se, por exemplo, a pressão das ruas crescer para a sua saída, Dilma poderá apelar para a base política do PT e os movimentos sociais, ignorando os chiliques do mercado. Ao menos, por um tempo.

Todavia, a preocupação com essa estratégia no médio prazo é a fatura que o Brasil terá de pagar, com os problemas graves econômicos sendo empurrados com a barriga e, talvez, se agravando numa bola de neve.

Fábio Alves é jornalista do Broadcast

Tudo o que sabemos sobre:

Nelson Barbosa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.