Lula e o PT ainda são viáveis para 2018?

Fábio Alves

27 de outubro de 2015 | 11h34

No dia em que completa 70 anos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe dois presentes indigestos de aniversário: a economia em recessão e a citação de seu nome, de parentes e de auxiliares próximos, como o ex-ministro Gilberto Carvalho, em investigações das operações Lava Jato e Zelotes.

O futuro de Lula e do Partido dos Trabalhadores (PT) tem um horizonte curto: as eleições presidenciais de 2018.

Segue o ex-presidente o único candidato viável do PT à Presidência em 2018?

Mais ainda: seguirá o PT um partido viável para eleger o sucessor de Dilma Rousseff?

Um influente interlocutor desta coluna em Brasília – ressalte-se, na oposição – declarou peremptoriamente em conversa na semana passada: “O PT não fará o próximo presidente do Brasil”.

Será que o destino do PT está irremediavelmente selado em 2018?

Antes disso, um teste será crucial: as eleições municipais do ano que vem.

Para Marco Antônio Teixeira, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o desempenho do PT nas eleições municipais de 2016 ainda é imprevisível em razão do desgaste do partido ocorrer de forma desigual no País. “Todavia, o fato de o PT ter perdido 11% dos prefeitos que elegeu em 2012 e 27% dos prefeitos eleitos no Estado de São Paulo já demonstra o tamanho das dificuldades que se avizinham”, diz ele.

Segundo ele, a situação é extremamente preocupante no chamado “Triângulo das Bermudas”: São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Para o professor da FGV, ganhar em importantes capitais é um interessante ponto de partida para a viabilização de candidaturas presidenciais.

“De todo o modo, o cenário é de um PT desidratado pós-2016 nas eleições municipais”, argumenta Teixeira.

Na opinião de Ricardo Ribeiro, analista político da MCM Consultores, muito provavelmente o PT elegerá menos prefeitos do que em 2012. “Até a eleição será difícil reverter o desgaste do partido”, afirma Ribeiro. “O PT deve recuar especialmente nas cidades maiores, nas quais o partido teve bom desempenho em 2012.”

Para Ribeiro, a grande batalha para o PT será a eleição para a Prefeitura de São Paulo. “Haddad não é favorito, mas não acho que já se possa afirmar que não se reelegerá, apesar do fardo de carregar consigo a imagem ruim do PT”, pondera o analista. “Se ele conseguir chegar ao segundo turno, poderá ser competitivo a depender de quem será o adversário dele.”

Na visão do analista da MCM Consultores, a economia será o principal fator que influenciará a eleição municipal do ano que vem, seguida dos efeitos da operação Lava Jato.

Para Marco Antônio Teixeira, da FGV, o desempenho do PT no pleito municipal será afetado pela combinação da economia, Lava Jato e o risco de impeachment da presidente Dilma.

“É bom lembrar que o mensalão esteve presente na agenda da última eleição municipal e já representou um tema frágil ao PT”, diz o professor da FGV. “Se a economia não melhorar e o governo Dilma se enfraquecer ainda mais a ponto de haver abertura de um processo de impeachment, o desgaste do PT se acentua pelo potencial negativo de notícias acerca do partido e de suas lideranças. Aí, as eleições em grandes capitais se inviabilizam quase que por completo”, acrescenta Teixeira.

Diante desse cenário, o ex-presidente Lula ainda é um candidato viável para o PT em 2018?

Levantamento divulgado pelo Ibope nesta semana mostrou que a taxa de rejeição ao ex-presidente cresceu bastante: os eleitores ouvidos pela pesquisa que afirmaram não votar em Lula de jeito nenhum saltaram de 33% para 55%.

“Sem dúvida, Lula continua a ser o nome eleitoralmente mais forte do PT, pois, apesar do desgaste, ele é competitivo para 2018”, diz Ricardo Ribeiro, da MCM Consultores. “Se ele, por qualquer razão, não for candidato, o PT terá pouquíssima chance de vencer a próxima eleição presidencial.”

Para Marco Antonio Teixeira, da FGV, Lula continua sim o nome mais forte do PT para 2018. “E numa posição que nenhum outro nome do PT teria, a julgar pelos dados divulgados pelo Ibope em que pese o tamanho da rejeição”, diz. Para ele, mesmo que o PT perca a eleição presidencial, chegar em 2018 com possibilidade de fazer uma bancada numerosa na Câmara dos Deputados e reeleger alguns governadores – Bahia, Minas Gerais, Acre e Piauí – será uma grande conquista para o PT frente a conjuntura vivida.

No entanto, o desgaste que o partido vem sofrendo – e o ex-presidente Lula à reboque – em razão das investigações da Lava Jato tem sido de tal magnitude e de tal velocidade que surpreendeu até os mais céticos.

Daqui até 2018, ou mesmo até as eleições municipais de 2016, muita água rolará debaixo da ponte da Lava Jato.

Tudo o que sabemos sobre:

LulaPT

Tendências: