Lula e o PT ainda são viáveis para 2018?

Fábio Alves

27 de outubro de 2015 | 11h34

No dia em que completa 70 anos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe dois presentes indigestos de aniversário: a economia em recessão e a citação de seu nome, de parentes e de auxiliares próximos, como o ex-ministro Gilberto Carvalho, em investigações das operações Lava Jato e Zelotes.

O futuro de Lula e do Partido dos Trabalhadores (PT) tem um horizonte curto: as eleições presidenciais de 2018.

Segue o ex-presidente o único candidato viável do PT à Presidência em 2018?

Mais ainda: seguirá o PT um partido viável para eleger o sucessor de Dilma Rousseff?

Um influente interlocutor desta coluna em Brasília – ressalte-se, na oposição – declarou peremptoriamente em conversa na semana passada: “O PT não fará o próximo presidente do Brasil”.

Será que o destino do PT está irremediavelmente selado em 2018?

Antes disso, um teste será crucial: as eleições municipais do ano que vem.

Para Marco Antônio Teixeira, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o desempenho do PT nas eleições municipais de 2016 ainda é imprevisível em razão do desgaste do partido ocorrer de forma desigual no País. “Todavia, o fato de o PT ter perdido 11% dos prefeitos que elegeu em 2012 e 27% dos prefeitos eleitos no Estado de São Paulo já demonstra o tamanho das dificuldades que se avizinham”, diz ele.

Segundo ele, a situação é extremamente preocupante no chamado “Triângulo das Bermudas”: São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Para o professor da FGV, ganhar em importantes capitais é um interessante ponto de partida para a viabilização de candidaturas presidenciais.

“De todo o modo, o cenário é de um PT desidratado pós-2016 nas eleições municipais”, argumenta Teixeira.

Na opinião de Ricardo Ribeiro, analista político da MCM Consultores, muito provavelmente o PT elegerá menos prefeitos do que em 2012. “Até a eleição será difícil reverter o desgaste do partido”, afirma Ribeiro. “O PT deve recuar especialmente nas cidades maiores, nas quais o partido teve bom desempenho em 2012.”

Para Ribeiro, a grande batalha para o PT será a eleição para a Prefeitura de São Paulo. “Haddad não é favorito, mas não acho que já se possa afirmar que não se reelegerá, apesar do fardo de carregar consigo a imagem ruim do PT”, pondera o analista. “Se ele conseguir chegar ao segundo turno, poderá ser competitivo a depender de quem será o adversário dele.”

Na visão do analista da MCM Consultores, a economia será o principal fator que influenciará a eleição municipal do ano que vem, seguida dos efeitos da operação Lava Jato.

Para Marco Antônio Teixeira, da FGV, o desempenho do PT no pleito municipal será afetado pela combinação da economia, Lava Jato e o risco de impeachment da presidente Dilma.

“É bom lembrar que o mensalão esteve presente na agenda da última eleição municipal e já representou um tema frágil ao PT”, diz o professor da FGV. “Se a economia não melhorar e o governo Dilma se enfraquecer ainda mais a ponto de haver abertura de um processo de impeachment, o desgaste do PT se acentua pelo potencial negativo de notícias acerca do partido e de suas lideranças. Aí, as eleições em grandes capitais se inviabilizam quase que por completo”, acrescenta Teixeira.

Diante desse cenário, o ex-presidente Lula ainda é um candidato viável para o PT em 2018?

Levantamento divulgado pelo Ibope nesta semana mostrou que a taxa de rejeição ao ex-presidente cresceu bastante: os eleitores ouvidos pela pesquisa que afirmaram não votar em Lula de jeito nenhum saltaram de 33% para 55%.

“Sem dúvida, Lula continua a ser o nome eleitoralmente mais forte do PT, pois, apesar do desgaste, ele é competitivo para 2018”, diz Ricardo Ribeiro, da MCM Consultores. “Se ele, por qualquer razão, não for candidato, o PT terá pouquíssima chance de vencer a próxima eleição presidencial.”

Para Marco Antonio Teixeira, da FGV, Lula continua sim o nome mais forte do PT para 2018. “E numa posição que nenhum outro nome do PT teria, a julgar pelos dados divulgados pelo Ibope em que pese o tamanho da rejeição”, diz. Para ele, mesmo que o PT perca a eleição presidencial, chegar em 2018 com possibilidade de fazer uma bancada numerosa na Câmara dos Deputados e reeleger alguns governadores – Bahia, Minas Gerais, Acre e Piauí – será uma grande conquista para o PT frente a conjuntura vivida.

No entanto, o desgaste que o partido vem sofrendo – e o ex-presidente Lula à reboque – em razão das investigações da Lava Jato tem sido de tal magnitude e de tal velocidade que surpreendeu até os mais céticos.

Daqui até 2018, ou mesmo até as eleições municipais de 2016, muita água rolará debaixo da ponte da Lava Jato.

Mais conteúdo sobre:

LulaPT