Portabilidade é uma boa opção para aumentar os ganhos da sua previdência

fabiogallo

28 de outubro de 2013 | 08h07

Há cinco meses fiz uma aplicação em Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) no valor de R$ 50 mil. Decidi aplicar mais R$ 8 mil e fui informada de que só poderia realizar tal operação se fosse um valor igual ou superior a R$ 30 mil e, por isso, era preciso retirar R$ 22 mil para somar com este novo depósito. É permitido sacar parte do montante antes de seis meses sem afetar o rendimento da aplicação inicial?

Caso você faça algum resgate antes do fim do período de carência, o valor resgatado não terá rendimento algum. O período de carência é um prazo mínimo em que você se compromete a não realizar saques do valor aplicado inicialmente. Já após esse período os resgates são possíveis e o rendimento ocorre como previsto. Portanto, vale a pena aplicar os R$ 8 mil na caderneta de poupança, que oferece liquidez total e não há carência alguma ou custos. Quando o período de carência vencer, você deverá avaliar se de fato é oportuno sacar parte dos recursos para uma nova aplicação em LCA, já que as taxas oferecidas podem ser alteradas.

Tenho algumas aplicações em planos de previdência. Uma delas em Vida com Remuneração Garantida e Performance, o chamado VRGP, que possui rendimento pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) mais 4% ao ano e taxa de carregamento de 3%. E outra em Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), que em 2013 rendeu apenas 3,20%. Descontado o Imposto de Renda, o valor é inferior ao rendimento da poupança. Minhas finanças estão distribuídas da seguinte maneira: 69% em previdência, 17% em fundos e 14% na caderneta. Estou muito preocupada com os meus ganhos atuais, O que devo fazer para melhorar a rentabilidade?

Primeiramente, mantenha a calma. Sempre que lidamos com investimentos destinados à aposentadoria ficamos aflitos, porque é algo muito importante em nossas vidas. A distribuição das suas finanças está muito carregada em planos de previdência, que, embora sejam boas alternativas, têm custo de administração muito alto e isto reduz bastante a rentabilidade. Mas, simplesmente sacar os recursos desses planos pode levar a uma grande perda devido à tributação. Como primeira medida, busque no mercado alternativas melhores ao VGBL mantido atualmente. Caso consiga planos mais rentáveis e baratos, faça uso da portabilidade e transfira os recursos sem ter de pagar impostos neste momento. O VRGP (Vida com Remuneração Garantida e Performance) é um bom plano, pois garante bom rendimento. Embora ele tenha taxa de carregamento muito alta, será difícil encontrar alternativa, pois as seguradoras não estão oferecendo mais os planos corrigidos pelo IGP-M. Mas a indicação é agir da mesma maneira e usar a portabilidade se conseguir um produto equivalente mais barato. Se não forem encontradas opções mais adequadas, a transferência de recursos para outros fundos de investimentos mais baratos pode ser uma solução. É importante, também, conferir a rentabilidade e os custos dos fundos. Há boas alternativas no mercado, principalmente para valores mais elevados. Mantenha os recursos que já estão na caderneta de poupança. Apenas para permitir comparações, as Notas do Tesouro Nacional – Série B (NTN-B) para 2020 estão oferecendo a rentabilidade de 5,55% mais a variação da inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). E isso com custos muito baixos e IR de renda fixa – 15% sobre o ganho de capital após dois anos.

Tenho 32 anos e, por continuar estudando, ainda não tive emprego formal sob regime CLT. No entanto, desde os 30 anos venho pagando o carnê GPS Facultativo (1600). Gostaria de saber se vale a pena continuar pagando até ser registrada. A partir daí, a empresa recolherá para fins de aposentadoria. Penso em, assim que registrada, aplicar o que venho recolhendo em um PGBL ou VGBL para ter duas aposentadorias. Estou certa?

Sem dúvida, continue contribuindo com a previdência pública. Embora o valor do benefício na época da aposentadoria não seja muito alto, não podemos esquecer que o INSS prove outros tipos de benefícios importantes para a maioria dos trabalhadores, como auxílio-maternidade, auxílio-doença, aposentadoria por invalidez etc. No seu caso, o período de contribuição (30 anos) coincidirá com a possibilidade de aposentadoria por idade (60 anos para as mulheres). Caso decida se aposentar antes do prazo, isso só será possível após os 48 anos e arcando com o fator previdenciário. Por outro lado, a ideia de passar a aplicar com o objetivo de completar a sua aposentadoria é algo altamente positivo. Os planos de previdência complementar são boas opções, desde que você consiga alternativas sem altos custos de administração e carregamento. Caso não encontre, aplique os recursos em fundos de investimentos, títulos do Tesouro Direto ou caderneta de poupança. O importante é você ter recursos investidos para complementar a renda na época da aposentadoria.

 

Tudo o que sabemos sobre:

previdência

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.