Falta clareza na cobrança em cartórios

Vivemos em um País onde a burocracia impera, mas algo deve ficar claro: tudo o que é cobrado pelos cartórios é amparado por leis

fabiogallo

06 Junho 2016 | 11h09

Podemos reclamar sobre fornecedores de serviços públicos e privados, escolher o melhor preço de produtos, mas somos obrigados a pagar preços exorbitantes pelos serviços cartoriais. Fui protestada em cartório e para a retirada fui obrigada a pagar o equivalente a 14,5% da dívida. Isso é um verdadeiro abuso. Por que o cartório pode cobrar tanto?

Nós vivemos em um País onde a burocracia impera. Mas algo deve ficar claro: tudo o que é cobrado pelos cartórios é amparado por leis. No caso de cancelamento de protestos, há tabelas que devem ser observadas, nas quais estão discriminados os diversos emolumentos, além dos repasses devidos para compor o preço do serviço cartorial. Ao acessar os sites do Serviço Central de Protesto de Títulos do Município de São Paulo e do Colégio Notarial do Brasil (CNB) na seção São Paulo, encontram-se diversas tabelas, nas quais são citadas as leis que dão base às cobranças, bem como a divisão do valor total. Mas, observando tais tabelas, temos a sensação de que não há a menor transparência para o cidadão. Não dá para entender o porquê de existir repasses para tantas entidades distintas em cada pagamento realizado – como se não houvesse outras fontes possíveis de recursos. Além disso, essa burocracia gera muitos gastos para o País. Tantos repasses para diversas entidades criam a necessidade de muita gente trabalhando, muito papel, sistemas de tecnologia e desperdícios ao longo de toda a cadeia. E tem gente que não entende o motivo de o Brasil ser tão ineficiente.

Sempre vejo cálculos que sugerem que, se guardarmos um pequeno valor mensal, poderíamos nos aposentar milionários. Minha dúvida é: qual investimento paga uma taxa de juros líquida mensal que alcance 5% ou 6%? Todos que conheço mal cobrem a inflação após IR e taxas.

Investir para viver com alto nível de bem-estar é possível, mas aposentar-se milionário é algo que depende das realizações ao longo da vida ou da sorte de ganhar na loteria. Obter ganhos líquidos na faixa de 5% a 6% mensais realmente não é possível. Mas, quanto antes e mais você conseguir poupar, maior será o volume de dinheiro acumulado. Exemplo: caso uma pessoa queira juntar R$ 500 mil para daqui a 30 anos, com uma taxa de juros de 1% ao mês, deve investir R$ 143,06 por mês. Caso queira juntar os mesmos R$ 500 mil, mas começa a poupar faltando apenas dez anos para a aposentadoria, o valor a ser investido por mês será de R$ 2.173,54. Por isso, o importante é se planejar desde cedo.

Mais conteúdo sobre:

cartório; investimento