Comece cedo a poupar para futuro do filho

Mesmo que comece com pouco, o importante é gerar reserva para dar tranquilidade que seu filho tenha boa formação

Bianca Pinto Lima

19 Setembro 2016 | 10h09

Tenho um bebê com oito meses e gostaria de fazer uma reserva financeira para a faculdade. Qual é a melhor opção?
Quanto antes você começar, mais fácil será obter o objetivo desejado. A primeira coisa a fazer é planejar o quanto você pretende acumular para fazer frente à faculdade idealizada para seu filho. Por exemplo, hoje as faculdades de 1.ª linha têm uma anuidade na faixa de R$ 50 mil, obviamente dependendo do tipo de curso. Assim, o curso todo deverá estar na casa dos R$ 200 mil. O prazo para atingir o objetivo está definido em 17 anos. Considerando uma taxa de juro de 1% ao mês, seria preciso aplicar R$ 300 mensais para atingir o valor nesse prazo. O valor mensal pode ser aplicado em um plano de Previdência, fundo de renda fixa ou, ainda, em títulos do Tesouro Nacional, por exemplo o Tesouro IPCA+ que rende uma taxa fixa mais o IPCA. Procure casar o vencimento do título com o prazo pretendido para o investimento. Hoje os títulos à disposição mais próximos do seu interesse são para 2035. No entanto, se você não tiver a disponibilidade, comece a poupar mesmo que seja com valor menor. O importante é gerar essa reserva para dar tranquilidade que seu filho tenha boa formação.

Minha mãe adquiriu um apartamento em 1986 por R$ 250 mil e doou este imóvel para mim em 2015. O valor considerado do apartamento para fins de pagamento de ITCMD foi R$ 1,015 milhão. Optamos na época por não pagar Imposto de Renda. Acabei de vender o apartamento por R$ 1,2 milhão. Entendo que pagarei muito mais Imposto de Renda agora na venda do que minha mãe teria pago na época da doação. Poderíamos voltar atrás, retificando as declarações de IR?
Entendo que você fez uma opção e declarou isto à Receita Federal. Logo, não poderá fazer alteração. Estou respondendo em tese, porque os agentes do Fisco é que são capazes de dirimir qualquer dúvida. Minha interpretação seria diferente se no momento da doação não tivesse havido a declaração do bem, assim sendo, agora poderia ser feita a declaração retificadora. Todo contribuinte pode realizar declaração retificadora observando-se a mesma natureza da declaração original e não sendo admitida a troca de opção por outra forma de tributação. Justamente por isto é que no seu caso não acredito que possa ser feita a modificação. O prazo para a retificação da declaração extingue-se em cinco anos, inclusive quanto ao valor dos bens e direitos. A declaração retificadora deve ser feita sempre que houver erros e omissões.