Heterodoxo contra heterodoxo

José Luis Oreiro, da UFRJ e da Associação Keynesiana Brasileira, que se considera um "novo desenvolvimentista", ataca duramente diagnóstico e recomendações do grupo de economistas da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT.

Fernando Dantas

30 Setembro 2015 | 18h20

Uma das críticas mais demolidoras do diagnóstico heterodoxo da atual crise econômica produzido pela Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, vem de um economista heterodoxo, José Oreiro, da UFRJ e Associação Keynesiana Brasileira. Isto pode parecer estranho, mas releva que o campo heterodoxo no Brasil se rachou definitivamente. Hoje as propostas de Oreiro e de seus companheiros do “novo desenvolvimentismo” parecem estar mais distantes do pensamento por trás do documento da Fundação Perseu Abramo do que da visão ortodoxa e do mercado financeiro sobre a economia.

Algumas expressões empregadas pelo economista da UFRJ para se referir ao diagnóstico do grupo que chama de “social desenvolvimentistas” revela o abismo que separa as duas correntes heterodoxas: “suicídio econômico”, “miopia inacreditável”, “jogar gasolina da fogueira”, “irresponsabilidade à toda prova”.

A visão dos social desenvolvimentistas, liderados pelo economista Marcio Pochmann, presidente da Fundação Perseu Abramo, é de que o duro ajuste fiscal conduzido pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa é uma das causas principais da drástica recessão que o País está vivendo. Assim, o documento recomenda que os juros sejam fortemente baixados e que o aperto fiscal seja relaxado, com retomada do investimento público. A volta do crescimento recuperaria a arrecadação e contribuiria para equilibrar as contas públicas.

Oreiro tem uma visão muito diferente sobre o que ocorreria caso a receita de Pochmann e seus colegas fosse adotada. “Com a inflação beirando os 10% ao ano, um déficit em conta corrente de 4% do PIB, uma projeção de déficit nominal em torno de 9%, propor aumento de gasto e redução de juro, isto é, meter o pau na máquina, é jogar gasolina na fogueira”, diz o economista.

Para ele, adotado esse receituário, “no dia seguinte” o dólar dispara para R$ 5 ou mais, as taxas de juros longas sobem acima de 20%, as expectativas de inflação aumentariam trazendo de volta o fantasma da reindexação da economia, o investimento cairia ainda mais pelo aumento da incerteza e a recessão poderia se aprofundar.

“É uma irresponsabilidade à toda a prova, é não pensar minimamente nas consequências de curto e médio prazo – o desastre estaria logo na esquina”, acrescenta.

Por outro lado, Oreiro lança dúvidas sobre a seriedade econômica das sugestões da Fundação Perseu Abramo. Para ele, a iniciativa pode ser fundamentalmente política. “Me parece muito mais uma proposta para marcar posição e construir um discurso pós-Dilma do que uma tentativa real de influenciar a política econômica”, analisa.

Para Oreiro, “esse é um discurso típico de quem sabe que não vai sentar nas cadeiras do Ministério da Fazenda e do Banco Central; como dizem os americanos, ‘talk is cheap’ (falar é barato)”. Para ele, não existe possibilidade uma guinada deste tipo, que não seria cogitada pela presidente Dilma Rousseff nem eventualmente pelo vice-presidente Michel Temer, caso o mandato de Dilma fosse encurtado.

O economista da UFRJ vê um debate efetivo sobre “forma e nuances” do ajuste fiscal entre Levy e Barbosa, e outro debate sobre a possibilidade de o BC ter ido longe demais no aperto monetário. Mas, para ele, não há ninguém com participação ou influência na política econômica debatendo sobre se deveria haver ajuste fiscal ou sobre um possível “cavalo de pau” na política monetária. Ele acrescenta que a correção fiscal atual pode ter um “efeito marginal” na recessão, pela contenção de demanda, mas o ajuste das contas públicas é imprescindível para reestabelecer a confiança.

“Propor uma expansão fiscal no meio de uma crise de confiança é suicídio econômico”, diz.

Causas

Oreiro divide as causas da atual crise entre estruturais e conjunturais. Pelo lado estrutural, ele considera que um fator central é a perda de competitividade, especialmente da indústria de transformação, que se estagnou no nível de 2010. Na sua visão, o período de câmbio valorizado e de ganhos salariais acima da produtividade levou a um “profit squeeze” (estrangulamento de lucros) das empresas.

Ele cita conhecido estudo liderado por Carlos Antonio Rocca, do Centro de Estudos (Cemec) do Ibmec, que indica que a taxa de retorno sobre o capital próprio das maiores empresas de capital aberto caiu abaixo da Selic a partir de 2011, justamente o momento em que o PIB perdeu ritmo. Oreiro observa que uma das razões pelas quais a forte redução de juros no primeiro mandato de Dilma não teve o desejado efeito sobre o investimento pode ter sido o fato de que “o retorno do capital caiu muito mais rápido que os juros”.

O economista lista ainda uma série de causas conjunturais para a atual crise: a queda do preço das commodities; os efeitos da Lava-Jato e da situação de caixa da Petrobrás nos investimentos da estatal, com reflexos em outros setores, como o naval, e até nas finanças estaduais e municipais em Estados como o Rio; a redução da renda disponível com os aumentos da energia e dos combustíveis; e a crise política, que aumentou as incertezas dos empresários, travando investimentos.

“Atribuir a crise ao ajuste fiscal dos ministros Levy e Barbosa, como se estivesse tudo bem e tenha piorado apenas por causa do arrocho nas contas públicas, é de uma miopia inacreditável”, critica.

Oreiro vê nos social desenvolvimentistas “uma postura ‘nietzschiana’ de reduzir tudo à disputa política de vontades”. Ele deixa claro que o seu grupo dentro da heterodoxia – no qual inclui economistas como Luiz Carlos Bresser-Pereira, Yoshiaki Nakano, Nelson Marconi, Luiz Fernando de Paula e Eliane Araújo – já se “desvencilhou” da imagem do grupo ligado ao documento da Fundação Perseu Abramo.

“Sempre respinga um pouco, sempre é ruim para os heterodoxos, mas acho que não prejudica o debate econômico, porque ninguém cogita hoje aplicar as ideias dos social desenvolvimentistas”, conclui Oreiro.

Fernando Dantas é jornalista da Broadcast