Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Indústria instável

Produção industrial de agosto veio acima das expectativas, mas ainda se está muito longe do ponto em que daria para comemorar.

Fernando Dantas

02 de outubro de 2019 | 21h23

A produção industrial de agosto veio acima das expectativas do mercado, tanto em relação a julho, com dessazonalização (0,8% ante a mediana de 0,2% do Projeções Broadcast), quanto em relação a agosto de 2018 (-2,3%, contra mediana de -3,15%).

Sempre é um alívio um indicador melhor que o esperado, mas a recuperação industrial no Brasil segue muito instável.

Como nota Silvio Campos Neto, economista da consultoria Tendências, o bom resultado foi muito concentrado, com uma alta de 6,6% da indústria extrativa em agosto, em relação ao julho (dessazonalizado).

Ele cita também a alternância de resultados bons e ruins que têm caracterizado a indústria na claudicante retomada econômica brasileira. Campos Neto lembra que há uma tendência global de desaceleração do setor industrial, ligada em parte à guerra comercial entre Estados Unidos e China.

No caso do Brasil, há o fator negativo adicional da crise argentina que, via redução de importações, afeta o setor automotivo brasileiro e outras cadeias entrelaçadas com o tecido industrial do país vizinho.

Luana Miranda, economista do Ibre/FGV, também toma o resultado da indústria em agosto com vários grãos de sal.

O crescimento na margem (contra julho) da indústria total e do segmento de transformação (0,2%) ocorre depois de três meses de queda. Já no caso da indústria extrativa mineral, a alta de 6,6%, na mesma base de comparação, faz parte do quadro de retomada pós-Brumadinho.

Quando se olha a comparação interanual (mês contra mesmo mês do ano anterior), entretanto, o quadro permanece bastante difícil, como observa Luana. Em agosto, a indústria de transformação registra recuo de 2,3% e a extrativa mineral, de 1,7%.

No caso da transformação, Luana indica que “só três entre 26 atividades cresceram, é pouquíssimo”.

Por outro lado, a economista diz que “a boa notícia é que a indústria extrativa-mineral está se recuperando muito bem” – no caso, basicamente do desastre de Brumadinho. Em abril, aponta, o recuo na comparação interanual foi de 23%!

Para setembro, a primeira projeção da produção industrial do Ibre é de alta interanual de 2,7%, puxada por dois dias úteis a mais (em relação ao mesmo mês de 2018), pela base depreciada pelo impacto da crise argentina no ano passado, e por indicações das sondagens de confiança um pouco melhores para a indústria de transformação. Mesmo com o resultado positivo em setembro, a indústria total deve fechar no negativo (-0,7%) no terceiro trimestre, em termos interanuais.

De qualquer forma, ela alerta, a projeção para setembro pode mudar quando tiverem sido divulgados mais indicadores antecedentes, como dados da Anfavea e a produção de papelão ondulado.

Em termos da indústria no PIB, o terceiro trimestre deve ter recuo de 0,9% na comparação interanual e queda de 1,2% na margem, com dessazonalização, segundo as projeções do Ibre. Porém, puxado pelos serviços, o PIB deve crescer 1,1% no interanual e 0,5% na margem.

Um possível resumo da história é que a economia continua sua lenta recuperação, mesmo com o freio da indústria, que é um fenômeno com componentes globais e, no caso brasileiro, regionais (Argentina).

A boa notícia é que o desempenho industrial pelo menos não está piorando na margem e, no caso da extrativa mineral, está se recuperando rapidamente.

Mas a incerteza persiste. Seriam necessários vários meses de resultados positivos para mudar fundamentalmente o quadro da indústria no Brasil.

Fernando Dantas é colunista do Broadcast

Esta coluna foi publicada pelo Broadcast em 1/10/19, terça-feira.

Tendências: