Stiglitz: BC do Brasil estrangula economia

A programação do Fórum Econômico Mundial de Davos, na semana passada, é tão intensa e corrida que não consegui postar minhas matérias para a Broadcast no blog. A maior parte, porém, saiu no jornal impresso e está no site do Estadão. Mas vou repostar algumas das entrevistas e reportages que achei mais significativas. Para começar, o bombástico Joseph Stiglitz.

Fernando Dantas

25 de janeiro de 2016 | 05h52

DAVOS – Às vésperas da reunião do Copom (a Selic acabou sendo mantida em 14,25%), Joseph Stiglitz, prêmio Nobel de Economia, disse em Davos na terça-feira (19/1/16), onde participa do Fórum Econômico Mundial, que o BC brasileiro estrangula a economia. Para ele, a política monetária do Brasil deveria se contrapor aos efeitos depressivos da queda dos preços das exportações e da operação Lava-Jato.

Como o sr. vê os atuais problemas do Brasil?

A característica distintiva do Brasil é que a política monetária estrangula a economia. Vocês têm uma das mais altas taxas de juros no mundo. Se o Brasil reagisse à queda no preço das exportações com medidas contracíclicas, o País talvez pudesse ter evitado a intensidade da atual crise. Outra questão é que, sempre que ocorrem escândalos de corrupção da magnitude do que acontece agora no Brasil, a economia é jogada para baixo. Isso cria uma espécie de paralisia. O sistema legal no Brasil está colocando muita gente na prisão. Não estou dizendo que vocês não deveriam fazer isso, mas a política monetária deveria reconhecer que este é um período em que haverá restrição de gastos, particularmente no setor público, em que as pessoas serão mais cautelosas em tomar decisões, em que a construção civil vai se contrair.

Mas a inflação está muito mais elevada que o teto de tolerância do sistema de metas.

Este modelo que diz que, se a inflação está alta, você sobe a taxa de juros é uma teoria que foi totalmente desacreditada. É preciso saber qual é a fonte da inflação. Se for excesso de demanda, aí você sobe a taxa de juros, porque tem que moderar a demanda. Mas se for um impulso dos custos (“cost push”), você tem que ser cuidadoso. Nesse caso, a forma pela qual a alta dos juros reduz a inflação é matando a economia. Se você conseguir desemprego o suficiente, os salários são violentamente deprimidos, e você segura a inflação. Mas isto é matar a economia. Não é bom ter inflação em disparada, mas também não é bom matar a economia. E eu acho que eles (o BC brasileiro) perderam esse equilíbrio.

No Brasil muita gente acha que a culpa é da política fiscal, e não do Banco Central.

Quando a economia se desacelera, as receitas tributárias caem e ocorrem déficits. Se a economia for estimulada, a receita sobe. Dessa forma, a política monetária pode ajudar a política fiscal.

Então o problema no Brasil é a política monetária?

Na verdade, vocês têm dois problemas: o colapso do preço das exportações e o escândalo de corrupção. O que eu disse é que a política monetária deveria se contrapor esses fatores depressivos, mas, em vez disso, ela está agravando o problema.

(Fernando Dantas – fernando.dantas@estadao.com)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.