Veredicto arrasador sobre as agências de rating

Fernando Dantas

28 de maio de 2010 | 17h44

Esse é o célebre Bill Gross, cofundador e diretor-executivo da Pimco, a empresa californiana de gestão recursos que tem o maior fundo mútuo do mundo, recomendando ceticismo em relação às agências de rating (isso está num recente relatório de Gross):

“Empresas com grandes departamentos próprios de (análise de) crédito como a Pimco podem passar ao largo, antecipar e correr na frente de todas as três (agências de rating – S&P, Moody’s e Fitch), beneficiando-se da sua (das agências) timidez e falta de bom senso. Vejam alguns exemplos recentes: a S&P acabou de rebaixar a Espanha, nesta última semana, em um grau, de AA+ para AA, alertando que o país pode sofrer outro rebaixamento se não for cuidadoso. Ohhhh – tão durões! E, acreditem ou não, a Moody’s e a Fitch ainda os têm (espanhóis) como AAA. Então aqui temos um país com 20% de desemprego, um recente déficit em conta corrente recorde de 10% (do PIB), que deu calote 13 vezes nos últimos dois séculos,  cujos bônus já estão sendo negociados em níveis de Baa, e cujo destino é cada vez mais dependente da benevolência da UE (União Europeia) e do FMI em resgatá-lo financeiramente. Isso é que é AAA!”

O link para quem lê em inglês, aqui.

Tudo o que sabemos sobre:

DebatesRating

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.