Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Calote é um padrão argentino e país vira “pária financeiro”, diz The Economist

Revista britânica rebate argumento da Casa Rosada e diz que seria possível pagar credores sem mudar condições dos demais investidores da dívida argentina

Fernando Nakagawa / Twitter @fnakagawa

31 de julho de 2014 | 16h36

A nova edição da revista The Economist publica editorial com forte crítica ao governo Cristina Kirchner que fracassou na tentativa de chegar a um acordo com os credores da dívida externa. Para a publicação britânica, o calote é o “padrão de comportamento do governo argentino” e o país parece novamente um “pária” do mundo financeiro.

kirchner.jpg
Sin plata. Para revista, faltou esforço do governo Cristina Kirchner / Reuters

Com o título “Oito vezes azarado”, a Economist lembra que a falta de acordo na noite de 30 de julho com os credores gerou a oitava situação de default da Argentina desde 1824. Tantas situações de não pagamento fazem com que “a maioria dos investidores veja um padrão de comportamento nisso”.

A Economist rebate o argumento argentino de que, se aceitasse as condições exigidas pelos fundos classificados de “abutres” pela Casa Rosada, seria exigido tratamento idêntico para todos os demais investidores. “Porque a Argentina não teria pago os holdouts voluntariamente, mas por uma ordem judicial”, argumenta a revista. “Além disso, alguns donos de títulos reestruturados já haviam concordado em renunciar a seus direitos”.

economist.png
Replay. Argentina já deu oito calotes e Brasil, nove / Reprodução The Economist

A publicação mostra ainda em um gráfico que vários emergentes têm o calote como um fato relativamente comum. Desde 1820, Equador e Venezuela entraram em default dez vezes. Uruguai, Costa Rica, Brasil e Chile tiveram essa situação nove vezes e Argentina, Peru, México e Turquia deram calote oito vezes. A diferença é que Argentina, Equador, Venezuela e Uruguai enfrentaram essa situação recentemente – todos após o ano 2000. Outros emissores como Brasil, México e Chile enfrentaram essa situação pela última vez no início dos anos 1980.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: