FT: “Brasil será rebaixado se presidente eleito não corrigir rumo da economia’

FT: “Brasil será rebaixado se presidente eleito não corrigir rumo da economia’

Independentemente do vitorioso no segundo turno, jornal britânico 'Financial Times' avalia que mudanças na economia são imperativas

Fernando Nakagawa / Twitter @fnakagawa

13 de outubro de 2014 | 09h03

Apoio de Marina Silva a Aécio Neves foi destaque no Financial Times (Foto: reprodução)

Apoio de Marina Silva a Aécio Neves foi destaque no Financial Times (Foto: reprodução)

LONDRES – O jornal britânico Financial Times destaca o apoio de Marina Silva (PSB) ao candidato Aécio Neves (PSDB) anunciado no fim de semana. Em reportagem publicada nesta segunda-feira, 13, na edição impressa, o jornal repete a avaliação de que, independentemente do vitorioso no segundo turno, as contas públicas e a inflação terão de ser ajustadas pelo novo governo. Sem essa correção, o Brasil pode sofrer rebaixamento de rating e piora ainda mais acentuada da confiança dos investidores.

A reportagem destaca que o início da corrida pelo segundo turno tem mostrado um momento mais favorável ao candidato da oposição. Apesar da ligeira vantagem numérica mostrada nas pesquisas Datafolha e Ibope, o FT nota que Aécio terá de se esforçar para conquistar votos contra Dilma Rousseff (PT). “O desafio é apresentar-se como uma mudança ‘segura’ para atrair os eleitores de Marina”, diz a reportagem.

Independentemente do vitorioso no segundo turno, o FT repete a avaliação de que mudanças na economia são imperativas. “A segunda maior economia emergente do mundo está em perigo de afundar em uma mistura tóxica de inflação e baixo crescimento. A inflação foi maior do que o limite superior da meta de 6,5% em setembro, enquanto os analistas esperam que a economia cresça apenas 0,2% este ano”, diz o texto.

“Seja qual for o candidato que ganhe, ele ou ela terá de reequilibrar as contas públicas e desmantelar os controles de preços e subsídios. Ou arriscará um rebaixamento do rating de crédito e maior erosão da confiança entre investidores”, completa a reportagem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.