Ministro grego mostra dedo médio à Alemanha e polêmica cresce

Ministro grego mostra dedo médio à Alemanha e polêmica cresce

Em vídeo de 2013, Yanis Varoufakis diz que Grécia "deveria ter levantado o dedo para a Alemanha" na crise de 2010. Alemães têm demonstrado resistência crescente ao governo grego que luta contra medidas de austeridade defendidas por Berlim como o corte de programas sociais e a realização de privatizações

Fernando Nakagawa / Twitter @fnakagawa

17 de março de 2015 | 13h07

LONDRES – Enquanto Atenas e Bruxelas tentam avançar nas negociações sobre o pacote de reformas prometido pelo novo governo de esquerda grego, um gesto do ministro de finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, pode colocar ainda mais pimenta na já desgastada relação entre gregos e alemães. Em um vídeo antigo publicado na internet, o atual ministro discursa e levanta o dedo médio ao se referir à Alemanha.

yanis
Dedo gate. Gesto aumenta polêmica entre gregos e alemães / Reprodução 

Em maio de 2013, Yanis Varoufakis foi convidado para uma palestra em um evento em Zagreb, na Croácia. À plateia, o então professor na Universidade de Austin proferiu uma palestra sobre o livro lançara anos antes: “O minotauro global: América, Europa e o futuro da economia global”. Uma gravação dessa palestra foi transmitida no domingo à noite em um programa de debate político na emissora pública alemã ARD.

No vídeo, Varoufakis critica a austeridade imposta pela União Europeia e apoiada pela Alemanha. “A Grécia deveria simplesmente ter, assim como fez a Argentina, anunciado que não pagaria a zona do euro em janeiro de 2010 e levantado o dedo para a Alemanha”. Nesse trecho do vídeo, o atual ministro aparece levantando o dedo médio. “E dizer: bem, vocês agora podem resolver esse problema”, completou.

Após apresentar o vídeo, o programa de televisão entrou em contato com o atual ministro grego que negou ter levantado o dedo para os alemães e acusou o vídeo de ter sido adulterado. O responsável pela gravação, porém, nega qualquer tipo de alteração, mas reclama que o programa usou a afirmação fora de contexto.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.