Com zika, setor do turismo na Europa teme cancelamento de viagens ao Brasil

Agentes de turismo na Europa temem onda de cancelamentos de viagens para o Brasil diante da propagação dos casos de zika vírus. Consultas de clientes já começaram e autoridades alertam para risco para grávidas e mulheres que pretendem engravidar

Fernando Nakagawa / Twitter @fnakagawa

27 de janeiro de 2016 | 09h41

LONDRES – Imagens do Aedes aegypti e explicações sobre a microcefalia têm aparecido diariamente no noticiário das principais emissoras de televisão na Europa. A notícia sobre a propagação do zika vírus pelas Américas e os casos confirmados de europeus que contraíram a doença começa a repercutir na indústria de turismo. Há recomendação para que grávidas não viajem à América do Sul e crescem as consultas sobre cancelamento ou adiamento dos pacotes para o Brasil.


Vilão. Mosquito aparece cada vez mais na Europa / USDA Divulgação

“Já estamos recebendo consultas de vários clientes. E essas ligações só têm crescido com essa verdadeira tempestade de notícias sobre o vírus”, diz o diretor da agência de turismo Bespoke Brazil, Simon Williams. Essa tempestade de notícias tem ocorrido diariamente e o zika vírus tem recebido importância semelhante à gripe aviária. Nesta segunda, 25, por exemplo, a doença foi a principal notícia do telejornal mais assistid0 do Reino Unido, o “BBC News at Ten”.

Nas reportagens, são explicadas as recomendações das autoridades. “Se você estiver grávida, deveria considerar evitar áreas onde o zika vírus está sendo reportado”, avisa o governo britânico. A Austrália “sugere às mulheres que estão grávidas em qualquer mês ou que planejam ficar grávidas que considerem adiar a viagem”. Recomendação idêntica foi emitida nesta terça pela Alemanha. Na semana passada, os EUA emitiram aviso semelhante. Alertas sobre o zika também já foram emitidos pelo governo de Portugal e Espanha, entre outros.


Vítima. Setor teme que europeus cancelem viagem / Marcos de Paula, Estadão

A Associação dos Agentes de Viagens Britânicos (ABTA, na sigla em inglês) emitiu comunicado em que reafirma a sugestão das autoridades britânicas de evitar as regiões afetadas como o Brasil. A entidade recomenda ainda que mulheres que desejam ficar grávidas e que tenham viagem marcada para a região devem procurar um médico. Para as viajantes grávidas, a sugestão é adiar ou cancelar a viagem e, para isso, requerer um atestado médico para acionar o seguro viagem.

Assim, o setor do turismo teme que parte dos europeus com pacotes comprados para o carnaval ou Olimpíadas desistam da viagem. “Normalmente, europeus conhecem pouco a geografia do Brasil. Poucos sabem que Recife fica a mais de mil milhas do Rio de Janeiro. Temo que aconteça a mesma onda de cancelamentos que atingiu a África do Sul quando o ebola surgiu a milhares de quilômetros no oeste da África”, diz o diretor da Bespoke Brazil, agência especializada em pacotes de luxo para o Brasil e que já prevê cancelamentos nas próximas semanas.

No oeste de Londres, a Journey Latin atende europeus interessados em conhecer toda a região que mais sofre com o zika vírus. A empresa reconhece que a doença é perigosa e já tem prestado esclarecimentos aos clientes. “O vírus é perigoso para grávidas ou mulheres que desejam ficar grávidas durante a viagem. Com a maioria dos nossos clientes tem mais de 50 anos, isso pode ser a razão de eles não desistirem”, explica uma porta-voz da agência que, até agora, não registrou cancelamentos.

Trecho de reportagem publicada pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: