Pfizer faz campanha nos EUA para tentar combater ‘fake news’ sobre vacinação

Fernando Scheller

18 de janeiro de 2021 | 09h02

Uma nova campanha do laboratório Pfizer, lançada na semana passada, é direcionada aos negacionistas de plantão: apesar de a vacina contra a covid-19 do laboratório – desenvolvida em parceria com a BioNTech – ter apresentado eficácia de até 95%, teorias da conspiração e informações falsas sobre a imunização motivaram a criação de uma série de filmes que lembram o que a humanidade ganhará quando o coronavírus deixará de ser uma ameaça. A campanha foi desenvolvida com apoio de um consórcio de organizações médicas dos Estados Unidos, segundo a Ad Age.

Os novos vídeos, que começaram a ser publicados na semana passada nos canais digitais da Pfizer e da BioNTech, têm um apelo emocional: a ideia é mostrar que, quando a pandemia ficar para trás, as pessoas poderão voltar a abraçar amigos e visitar familiares sem medo de contaminá-los. A campanha foi criada pela Dini von Mueffling Communications, parceira de longa data da gigante americana, e pela agência americana Mischief @ No Fixed Address, conhecida pelos anúncios de forte potencial de compartilhamento em redes sociais.

Segundo os criadores da campanha, achar o tom para convencer as pessoas a se proteger por meio da vacina não foi fácil: mas eles decidiram, em vez de simplesmente apresentar fatos de forma racional, apelar para a emoção. Segundo o AdAge, a Mischief foi beber na fonte da internet, garimpando conteúdos sobre distanciamento social em contas reais e pedindo permissão para utilizá-los.

Desde o início da pandemia, agências e áreas de comunicação de grandes farmacêuticas vêm “quebrando a cabeça” para convencer as pessoas a acreditarem nos avanços científicos – ainda em abril do ano passado, antes de qualquer vacina estar desenvolvida, o laboratório Moderna já havia lançado uma campanha puxada pelo slogan “Science will Win”, ou “A ciência vai vencer”.

No Brasil. Por aqui, o Instituto Butantan também veiculou, em dezembro, uma campanha em que vários profissionais da área médica – entre eles o médico infectologista David Uip e Luiz Carlos Pereira Júnior, diretor técnico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas – diziam: “Se é do Butantan, eu confio”. O investimento na campanha, segundo o governo paulista, foi de R$ 15 milhões.

O Ministério da Saúde também já preparou uma campanha relativa à vacinação contra a covid-19, que foi lançada há cerca de um mês, bem antes. Apesar de os vídeos estarem disponíveis no YouTube, até agora a exposição foi limitada: até a última sexta-feira, contabilizava 13,6 mil visualizações na página do ministério no site de vídeos do Google. A campanha, com o título “Brasil Imunizado – Somos uma só nação”, diz que o governo está preparando “tudo para você exercer o direito de se vacinar – se tiver indicação.”

Coluna Teaser:

NOVOS PERSONAGENS: Huggies troca Turma da Mônica pela Disney
Depois de anos trabalhando em associação com a Turma da Mônica, a Kimberly Clark anuncia hoje que as fraldas Huggies agora vão trazer personagens da Disney. Trata-se de um alinhamento do mercado brasileiro à estratégia global da gigante de bens de consumo.

‘SHARK TANK’: Tang apoia projetos de empreendedorismo
A marca de refrescos em pó Tang, da Mondelez, criou uma ação de marketing para apoiar projetos de empreendedorismo em uma série que irá ao ar no canal do programa Shark Tank Brasil, da Sony, no YouTube. Os projetos devem ser apresentados por crianças de 6 a 13 anos e serão divididos em três categorias: sustentabilidade, criatividade e sociedade. Os prêmios, somados, são de R$ 90 mil. As inscrições se encerram no próximo dia 28, no site www.tangnotank.com.br.

ALEXA E OUTROS: Domino’s permite pedir pizza por sistemas de voz
A rede de pizzarias Domino’s permitirá que clientes peçam pizzas usando sistemas de voz como Alexa, da Amazon, e Google Assistente. A campanha de lançamento terá interação com a cantora Jojo Todynho, a mais recente vencedora do reality A Fazenda, da TV Record.

APP: Um corretor ortográfico para expressões preconceituosas
A agência Leo Burnett Tailor Made criou uma campanha intitulada Palavras Importam para promover o “teclado antipreconceito”, aplicativo que pode ser baixado no celular e que sugere palavras alternativas todas as vezes que o usuário utilizar uma expressão de cunho racista, homofóbico, xenófobo ou sexista. O projeto é capitaneado pela Edições Globo Condé Nast, detentora de revistas como Vogue, Glamour e GQ.

NESTLÉ: Prêmios e campanha com Regina Casé
A Nestlé completa cem anos de Brasil em 2021 e vai distribuir, até 24 de março, prêmios de R$ 100 mil, todos os dias.  A ação terá campanha protagonizada por Regina Casé, atriz da novela Amor de Mãe e apresentadora de programas como Esquenta. Assinada pela DPZ&T, a ação será embalada por Tá Escrito, do Grupo Revelação, com o refrão: “Erga essa cabeça, mete o pé e vai na fé, manda essa tristeza embora. Basta acreditar que um novo dia vai raiar, sua hora vai chegar”.

CANNES LIONS: Edição confirmado, com premiação dupla
Na semana passada, a organização do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade reafirmou que a edição 2021 do evento está confirmada para junho. Em 2021, a premiação vai abarcar dois anos, considerando também o melhor da publicidade e do marketing global que o mundo produziu em 2020. No ano passado, o festival foi cancelado por causa da pandemia de covid-19.

Construir a ferramenta, que também terá versões em português e espanhol e por ora estará disponível para celulares Android (os mais usados no Brasil), consumiu mais de um ano de trabalho da produtora Savoir. Para organizar esse novo corretor ortográfico, a equipe se baseou em um estudo do linguista Thomas Finbow, doutor do Departamento de linguística da Universidade de São Paulo (USP). Segundo o levantamento de Finbow, existem cerca de 300 palavras ainda usadas de forma corriqueira que ainda reforçam preconceitos e podem ser substituídas facilmente por sinônimos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.