Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Força de Expressão

Estadão

20 de outubro de 2011 | 15h38

“A questão cambial é sempre um vem e vai no caixa da empresa. Como a dívida tem prazo médio de sete anos, só ao final deste período é que veremos o impacto de fato sobre o nosso caixa.”

Almir Barbassa, diretor financeiro da Petrobrás, comenta o possível efeito da variação cambial sobre o resultado da empresa.

20 de outubro de 2011

Leia mais aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: