Força de Expressão

Giovana Nunes

24 de setembro de 2012 | 13h33

“Eu quero ser transferido, sim, mas a mensagem de desesperança que ficou da Peugeot foi muito forte. Trabalhamos com a cabeça na crise. É triste e perigoso.”


Desiré Malonga, funcionário da unidade da Peugeot, em Aulnay na França. A fábrica foi fechada e ele espera ser transferido para a Alemanha.

24 de setembro de 2012

Leia mais: Demissões expõem a crise das montadoras europeias

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.