Força de Expressão

Cláudia Ribeiro

18 de dezembro de 2012 | 18h56

“Quando entraram no País (a Apple), a marca já estava registrada. O caminho mais conveniente teria sido se eles tivessem procurado a gente. (…) Ninguém nos procurou. Houve, digamos assim, uma falta de respeito com o nosso registro.”

Fundador da Gradiente, Eugênio Staub, fala sobre o smartphone Neo One, da família iphone. Mesmo com a polêmica sobre a coincidência entre o nome da linha de produtos brasileira e o aparelho da Apple, empresário diz que não houve plágio.

18 de dezembro de 2012.

Leia mais em: Não é plágio, registramos antes, diz fundador da Gradiente sobre ‘iphone’

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.