Ainda sobre as metas de inflação

José Paulo Kupfer

11 de junho de 2008 | 14h02

O IPCA de maio veio alto, ainda pressionado principalmente pelo preço dos alimentos, que responderam por mais da metade da elevação. O arroz, por exemplo, subiu quase 20%, a maior alta desde o início do Plano Real. Mas há também pressões típicas de aquecimento de demanda interna, em preços que compõe o item habitação.

Em 12 meses, o índice está em 5,56%, acima do centro da meta de inflação, mas abaixo do teto do intervalo de variação. Boa hora, portanto, para insistir no debate dos sistemas de controle e estabilização de preços, como o próprio sistema de metas.

Aqui, uma contribuição do leitor Outro Leitor.

Por outro leitor

O regime de metas tem sido eficaz no combate à inflação quando o lado externo da economia ajuda. Tanto é assim que, antes de adotá-lo, a Suécia e o Brasil promoveram uma desvalorização de suas moedas.

Mas, e quando a tendência é de aumento da inflação mundial, ou o câmbio está excessivamente valorizado? Deve-se aumentar a meta, piorando assim as expectativas, fazendo deste modo com que este regime atue na contra-mão do combate à inflação?

Evidentemente, a resposta que os Bancos Centrais dos países que o adotam vêm dando não é esta: tratam simplesmente de sacrificar o crescimento, opção que, no caso brasileiro, dado o nosso precário desenvolvimento social, deveria ser evitada. Além disso, continuar perseguindo a tal meta, com um câmbio excessivamente valorizado, além de apenas adiar a inevitável desvalorização, somente tem o condão de aumentar a dívida pública.

Dado o nosso caráter imitativo, seria muito esperar que nós tomemos a iniciativa de abandonar esta política, antes que outros a tomem. Minha esperança é que outros povos, como os suecos, por exemplo, ao verificar o desastre no seu nível de emprego e bem-estar social, provocado pelo regime de metas numa economia altamente internacionalizada, abandonem esta política macroeconômica, tendo que deixar, talvez, a zona do Euro. É mais fácil acontecer isto do que mudar a mentalidade do mainstream econômico nacional.

Em: 10/06/2008 17:22:23

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.