Avaliar a universidade é preciso

José Paulo Kupfer

02 de agosto de 2008 | 16h56

Rankings de qualidade são todos sujeitos a chuvas e trovoadas. Dependem do que se queira dar prioridade na avaliação. Daí que o ponto crítico não são os indicadores utilizados, mas com que objetivo eles entram na dança.

Os que objetivam comparar universidades e faculdades não fogem à regra. Há vários rankings internacionais em que escolas brasileiras são avaliadas e agora haverá um, patrocinado pelo próprio Ministério da Educação, conforme apurei em Brasília, nesta semana, depois de uma longa entrevista com o ministro Fernando Haddad (prevista para ser publicada no IG na semana que entra). O ranking do MEC será anunciado nos próximos dias e a promessa é de divulgação dos primeiros resultados em um mês (clique aqui para ler a reportagem exclusiva publicada ontem no IG).

Hoje mesmo, sábado, saiu na “Folha” uma notícia a respeito de um ranking de universidades, elaborado pelo Conselho Superior de Pesquisas Científicas, órgão oficial do governo espanhol, vinculado ao ministério da Educação. Nesse ranking, a Universidade de São Paulo é a única instituição brasileira classificada entre os 200 primeiros, ocupando a 113ª posição. As outras duas universidades brasileiras listadas são a Unicamp (212ª) e a UFRJ (330ª).

Denominado “Webometrics”, o ranking espanhol compara a produção científica das escolas, com base no número de acessos, via internet, dos artigos publicados em periódicos acadêmicos, obviamente em suas versões online. A avaliação é semestral e, no ranking de julho deste ano, foram avaliadas 16 mil instituições, das quais resultou uma lista com 4 mil delas. A mais bem colocada entre as latino-americanas, no 51º lugar, é a Universidade Autônoma do México. As 25 primeiras da lista são americanas (clique aqui para ter acesso à lista).

Medir a produção científica, por meio da quantidade de acesso aos trabalhos publicados, é uma forma interessante de avaliar o nível de qualidade de uma universidade ou faculdade. Para chegar lá, a escola terá de formar bons pesquisadores e assegurar condições para que desenvolvam seus estudos. Mas isso não é tudo quando se quer transmitir conhecimento para a vida prática.

O próprio caso brasileiro é um bom exemplo do quanto o conceito é limitado. A produção científica brasileira, fundamentalmente de responsabilidade das universidades públicas, é bem situada em termos internacionais, mas disso não resulta desenvolvimento tecnológico compatível.

No volume de artigos publicados e de citações em revistas internacionais, — um indicador adequado da produção científica -, autores brasileiros superam os asiáticos, tão louvados entre nós como exemplo de produção científica. Mas, no número de patentes internacionais obtidas – o indicador da criação de tecnologia – amarramos o rabo da fila. Brasileiros mal depositam, nos Estados Unidos, a cada ano, 5% do total de novas patentes coreanas.

O novo indicador do MEC não atenderá diretamente os itens levados em conta no “Webometrics”, para avaliar a produção científica acadêmica. Seu objetivo é pontuar a qualidade do ensino nas universidades e faculdades, combinando as notas dos alunos nos exames nacionais, no ingresso e fim do curso, a avaliação que eles fazem do curso e dos seus professores, o número de professores com doutorado e de professores em tempo integral.

Pode não ser o fim da história, dispensando correções e ajustes de rumos. Mas, ao apontar objetivos e metas a serem perseguidos pelas instituições, é, muito provavelmente, um bom jeito de ir mais longe e mais rápido na formação de um sistema de ensino superior capaz de dar respostas eficazes aos desafios da difusão do conhecimento no século XXI.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.