Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Ciclo de cortes nos juros mais perto do fim

José Paulo Kupfer

07 de setembro de 2017 | 12h21

Calhou que o calendário de divulgação da variação do IPCA de agosto tenha coincidido com a data da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que decidiria a taxa básica de juros (taxa Selic) para os próximos 45 dias, nesta quarta-feira. Não havia nenhuma dúvida de que os juros seriam novamente cortados em 1 ponto, recuando para 8,25% ao ano, mas os números da inflação, muito baixos e abaixo das expectativas do mercado, acumulando meros 2,6% em 12 meses, acabaram sancionando a decisão e abrindo espaço para a continuidade mais agressiva do ciclo de cortes da Selic.

Desde o Copom de julho, o BC construiu a expectativa de que manteria essa  atitude agressiva em relação ao corte dos juros, apesar das incertezas políticas causadas pela denúncia de corrupção passiva da Procuradoria Geral da Repúplica contra o presidente Michel Temer e das dificuldades daí decorrentes para a aprovação de reformas, em especial a da Previdência, e da deterioração do quadro fiscal em geral. Diante do ambiente enevoado, não eram muito claras as razões objetivas que animavam o BC a manter o pé no acelerador.

Pode ter acertado quem imaginou que essa agressividade, mesmo diante das incertezas e do quadro fiscal negativo, estava em linha com a batalha pela aprovação da Taxa de Longo Prazo (TLP), na qual os diretores do BC se envolveram de peito aberto — a ponto de alguns deles terem quebrado “o período de silêncio”, que antecede e sucede as reuniões do Comitê de Política  Monetária (Copom), para acompanhar, na terça-feira, a votação da MP da taxa, diretamente do plenário do Senado Federal.

Em termos técnicos, a tendência já era para moderar o ritmo de redução da taxa de juros. No comunicado emitido ao fim da reunião, não sem razão, o Copom deu sinais claros de que pretenderia começar a frear os cortes, mas os analistas especializados em traduzir as comunicações do BC não convergiram para um consenso. A maioria passou a apostar em um corte de 0,75 ponto em outubro, havendo quem considerasse mais plausível uma redução de 0,5 ponto e uns poucos que raciocinaram, talvez mais de olho nas exigências políticas do momento, com a possibilidade de uma nova poda de 1 ponto.

Também ainda não se formou unanimidade a respeito de quando e em que ponto o atual ciclo de cortes na taxa básica se encerrará. De acordo com as projeções atualizadas, pode ser que em 7,5%, 7,25%, 7% ou até mesmo 6,5%, entre dezembro de 2017 e março de 2018. Uma convergência maior se dá na avaliação de que a taxa básica ficará estabilizada ao longo de 2018, ano de eleição e de muitas incertezas.

Com a surpresa baixista do IPCA de agosto — marcada, particularmente, por nova queda na alta de preços de alimentos —, os modelos do BC devem apontar agora para o “risco” de que a inflação possa encerrar o ano muito próximo ou mesmo abaixo de 3%, piso do intervalo do regime de metas. Esta possibilidade — que indicaria um freio — competirá com o ainda vasto espaço de capacidade ociosa na economia para ser preenchido sem pressionar os preços — sinalizador de manutenção de ritmo acelerado —,  na determinação da trajetória dos juros básicos, daqui até o primeiro trimestre de 2018.

A resultante desses dois vetores é de encerramento gradual, mas em prazo relativamente curto, como, aliás, indicado pelo próprio BC, do atual e acentuado ciclo de cortes da Selic.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: